Aproveitador

Bolsonaro ‘vira-casaca’ revela falha de caráter, diz ex-presidente do Palmeiras

Luiz Gonzaga Belluzzo destacou que o Palmeiras tem muitos torcedores de centro-esquerda e esquerda, que desaprovam o atual governo

Divulgação
"Clube não pode se prestar a isso", diz Belluzzo, sobre possibilidade de Bolsonaro usar a final da Libertadores como palanque

São Paulo – O economista e ex-presidente do Palmeiras, Luiz Gonzaga Belluzzo, não quer ver Jair Bolsonaro “se aproveitando” do clube como palanque na final da Copa Libertadores da América. Além disso, criticou o Bolsonaro por se dizer palmeirense, mas aparecer vestindo a camisa de diversos outros clubes. Ambas as posturas, segundo ele, causam “indignação” entre os palmeirenses. “Tem muita gente que fica indignada. Não conheço nenhuma pessoa normal que tenha essa desfaçatez de se apresentar como torcedor de vários clubes ao mesmo tempo. Revela déficit de percepção, de inteligência e até de caráter”, disse ele, em entrevista ao Jornal Brasil Atual, nesta terça-feira (26).


Leia também


A partida contra o Santos será disputada no próximo sábado (30), no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) convidou Bolsonaro para acompanhar a partida. Ele não confirmou sua presença, mas disse que vai ficar “neutro” como torcedor.

No final do ano, Bolsonaro vestiu a camisa do Santos em jogo beneficente realizado na Vila Belmiro. “Não existe torcedor neutro. Então, ele não é torcedor. Ou ele é palmeirense ou é santista”, criticou Belluzzo.

Para o economista, não é possível tolerar a “apropriação” dos símbolos do clube por nenhum político. Ainda mais por alguém tem “várias restrições”, disse Belluzzo, sem detalhar as críticas.

Apelo

O ex-dirigente referendou uma carta aberta escrita por coletivos e torcidas organizadas do clube exortando o presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, a não endossar “ações populistas e oportunistas” de Bolsonaro na final. Os torcedores temem que se repitam cenas como as ocorridas em dezembro de 2018, quando o então presidente eleito foi até o gramado para entregar aos jogadores a taça do Campeonato Brasileiro.

“O clube não pode ser instrumentalizado por alguém que queira se aproveitar da situação. Não podemos tolerar essa tentativa de apropriação por parte de um político que tem várias restrições”, afirmou Belluzzo. Ele destacou, ainda, que a torcida do clube é composta por de todas as cores e tendências políticas. Além disso, tem um grupo “muito grande”, segundo ele, de torcedores de centro-esquerda e esquerda, que se opõem ao atual presidente.

Assista à entrevista

Redação: Tiago Pereira – Edição: Helder Lima