Por justiça

Assista ao ato político cultural das mulheres atingidas pelo crime da Vale

Assista ao primeiro grande ato da jornada de lutas contra o crime da Vale, que passados 5 anos, mantém as vítimas e o Rio Doce sem a devida reparação

reprodução

São Paulo – Maior crime ambiental da história do Brasil, o rompimento da barragem da Samarco, controlada pelas mineradoras Vale e pela BHP, em Mariana-MG, completa cinco anos na próxima quinta-feira (5). Mesmo depois de todo esse tempo, a mineradora e suas controladoras, Vale e BHP, ainda não reconstruíram as casas das mais de 430 famílias que ficaram sob a lama.

Para chamar a atenção da população para o descaso dessas grandes companhias que se arrasta – com a complacência das autoridades – as mulheres do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) faz hoje (31) ato político e cultural das mulheres em defesa da vida .

O ato em protesto pelo crime da Vale está sendo transmitido pelas redes sociais do MAB Nacional. Confirmaram participação Mariana Andrade Sobral, defensora pública do Espírito Santo; Deborah Duprat, ex-subprocuradora Geral da República; Érica Kokay, deputada federal (PT-DF); Nalu Faria, liderança da Marcha Mundial de Mulheres e da Frente Brasil Popular. Além destas, também estarão presentes Letícia Oliveira, liderança do MAB; Maria Cussaya, atingida pela Vale em Moçambique; Claudia Ortiz, militante da organização Rios Vivos, da Colômbia; e Marílis Pena Peres, do Centro Martin Luther King, de Cuba.


Leia também


Últimas notícias