Violência

Padre Júlio Lancellotti denuncia novas ameaças, após ataques virtuais de deputado

“O risco que estou correndo é cada vez maior, e a responsabilidade vocês sabem de quem é”, disse padre Júlio. Deputado Artur do Val faz ameaças pelas redes

Reprodução
Padre Julio denuncia novas ameaças e ofensas, após ataques virtuais pelo deputado Artur do Val, o Mamãefalei

São Paulo – O padre Júlio Lancellotti, pároco da igreja São Miguel Arcanjo e coordenador da Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo, denunciou nesta terça-feira (15) que voltou a sofrer ameaças verbais após ser atacado virtualmente pelo deputado estadual e candidato à prefeitura de São Paulo (Patriota) Arthur do Val, o “Mamãefalei”.

Lancellotti contou que um motoqueiro passou por ele nesta manhã e gritou “padre filho da p…, defensor de nóia”. Algumas pessoas que também aparecem no vídeo confirmam a cena de violência.

“Depois de ataques de alguns candidatos à prefeitura contra mim, eu estou cada vez mais em risco. Então, quero deixar claro: se me acontecer alguma coisa, se alguém me atingir, se eu for atingido por alguém, vocês sabem de quem é a culpa, sabem de quem cobrar”, denunciou, em vídeo postado em seu Twitter.

Nas redes sociais, do Val chega a chamar o padre Julio de “cafetão da miséria”. O candidato atacou padre Júlio nas redes sociais, após uma ação repressiva da Guarda Civil Metropolitana na região conhecida como cracolândia, no centro da cidade. “Até quando esse cafetão da miséria vai achar que é dono da verdade enquanto milhares de brasileiros sofrem com a cracolândia? Anotem: vou desmascará-lo”, afirmou o candidato.

O parlamentar, que é do Movimento Brasil Livre (MBL), mentiu em uma entrevista dizendo que o religioso não conhecia a Cracolândia. Em outra ocasião, ainda, Do Val acusou padre Júlio e integrantes da organização Craco Resiste, que monitora a violência policial na região, de apoiarem ataques de usuários de drogas contra a Guarda Civil Metropolitana.

O religioso é vigário episcopal do Povo de Rua de São Paulo e tem seu trabalho reconhecido por essa população. Ele se opõe frontalmente ao projeto de Do Val para lidar com a população pobre e vulnerável da capital paulista.

O padre lavrou Boletim de Ocorrência

Leia também

Com informações de Fórum, Brasil de Fato e Carta Capital

Redação RBA: Fábio M. Michel