luta por moradia

Ocupação Manoel Aleixo: famílias revitalizam prédio abandonado em Mauá

Cerca de 50 famílias ocuparam escola pública abandonada pela prefeitura de Mauá, no ABC Paulista, há 10 anos. Espaço fica localizado no centro da cidade

MLB
Famílias da Ocupação Manoel Aleixo transformaram o espaço sujo e vazio em moradia digna com creche, cozinha, espaço de formação

São Paulo – Cerca de 50 famílias deram início à Ocupação Manoel Aleixo, na última segunda-feira (7), em Mauá, na Grande São Paulo. O prédio era uma escola e pertence à prefeitura local, mas estava abandonado há 10 anos.

O prédio da escola pública está localizado no centro de Mauá. As famílias da Ocupação Manoel Aleixo transformaram o espaço sujo e vazio em moradia digna com creche, cozinha, espaço de formação, segurança e proteção ao coronavírus.

Matheus Troilo, morador da ocupação e coordenador estadual do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), explica que as famílias estavam expostas à covid-19 e ao desemprego, inclusive sem acesso ao auxílio emergencial. “Aqui, há mais de 10 anos atrás, antes da prefeitura destruir tudo, funcionava uma escola com muitas crianças e muita vida. Agora o MLB, com muita combatividade e vigilância às recomendações de saúde, devolveu função social ao prédio”, disse.

O prédio fica localizado na rua Almirante Barroso, Vila Bocaina. O nome da ocupação é uma homenagem ao opositor da ditadura civil-militar brasileira: Manoel Aleixo que, em setembro de 1973, foi torturado e assassinado nos porões do Doi-Codi.

Segundo a assessora do MLB Vitória Magalhães, as famílias, agora, lutam para ter acesso à agua. “De ontem para hoje, estamos nos organizando para conseguirmos água. O prédio estava abandonado, há mais de 10 anos, então fizemos um mutirão de limpeza. Era uma escola com uma condição boa de estrutura, mas estava jogada pela prefeitura. Fizemos uma revitalização do espaço, agora podemos chamar de moradia.”