Superlotação

Redução na frota de ônibus coloca em risco população periférica, diz Jilmar Tatto

Categoria promete sair mais tarde das garagens na quarta-feira (1º), para protestar contra a medida

José Cruz/EBC
Redução na frota de ônibus na pandemia coloca em risco à população e os trabalhadores

São Paulo – Os ônibus da capital paulista prometem sair mais tarde das garagens na quarta-feira (1º) para protestar sobre a diminuição da frota ordenada pela gestão Bruno Covas (PSDB). Para os trabalhadores, a redução traz dois temores: o maior risco de contágio da covid-19 pela lotação dos ônibus e a possibilidade de demissões.

Jilmar Tatto, ex-secretário de Transportes e pré-candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PT, afirma que a medida de reduzir o transporte é controversa, já que São Paulo reabriu o comércio. “O governador (João Doria) e o prefeito não estão ouvindo a ciência e, ao reduzir a frota, vamos ter mais gente andando apertada no transporte”, criticou, ao Jornal Brasil Atual.

Na zona leste, por exemplo, o corte nas linhas foi proporcionalmente maior do que a redução de passageiros, resultando em ônibus lotados. “É na periferia onde você tem o maior número de mortos, atualmente. O problema é que a prefeitura tem dinheiro para suprir essa questão, com R$ 18 bilhões em caixa, mas não quer gastar”, acrescenta Tatto.

O ex-secretário de Transportes defende uma discussão mais ampla sobre o setor de mobilidade na cidade. Ele explica que o número de usuários está caindo, anualmente. “O aumento do valor da passagem está retirando as pessoas do transporte público, principalmente os desempregados. Por isso, chegou a hora de debater sobre o financiamento do transporte. Defendo a gratuidade do sistema de forma universal, que hoje existe em parte, já que idosos e estudantes não pagam.”

Jilmar Tatto é ex-deputado federal e ex-secretário municipal nas gestões de Fernando Haddad e Marta Suplicy. Durante sua participação na prefeitura, ele foi responsável pela elaboração do Bilhete Único e pela implementação de ciclofaixas e faixas de ônibus.

Leia também:

Apesar da covid-19 seguir em alta, Covas anuncia maior abertura do comércio a partir de 6 de julho