Liberdade de imprensa

Abraji e OAB firmam parceria para denunciar agressões a jornalistas

Ataques aos profissionais da imprensa aumentam em função dos exemplos dados por Bolsonaro. Mulheres são os principais alvos

Reprodução/TVT
Mau exemplo: Bolsonaro estimula apoiadores a atacarem jornalistas para minar a democracia

São Paulo – A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) lançaram na semana passada um convênio para fornecer orientação jurídica básica a jornalistas vítimas de ameaça e assédio online.  A iniciativa é uma reação ao aumento dos ataques a jornalistas, principalmente por parte dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, que frequentemente também insulta os profissionais de imprensa. As mulheres são o alvo preferencial.

Para a coordenadora do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) e secretária geral do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, Renata Mielli, as investidas de Bolsonaro são uma tentativa de minar um dos pilares da democracia. “Um dos aspectos centrais que explica o crescimento dessa violência é que ela está sendo endossada e estimulada pelo presidente da República, o que tem gerado essa série de ataques, muitas vezes verbais, mas inclusive físicos, contra jornalistas e comunicadores no Brasil”, afirmou ao repórter Jô Miyagui, para o Jornal Brasil Atual, nesta segunda-feira (1º).

“O convênio prevê que a Abraji receba a denúncia por e-mail. E a resposta0 de como será o procedimento dessas orientações jurídicas básicas. A resposta será dada ao jornalista dentro de um prazo de dois dias”, explicou a secretária-executiva da Abraji, Cristina Zahar.

Ambas também destacaram o machismo presente nos ataques às profissionais da imprensa. “As mulheres jornalistas têm sido as principais vítimas dos ataques do governo Bolsonaro. O que mostra também uma certa misoginia nessa violência”, disse Renata. “Não queremos nada demais. Apenas ser tratadas com respeito e ter igualdade de oportunidades”, destacou Cristina.

Assista à reportagem: