Comida de Verdade

Plataforma aproxima produtores de alimentos saudáveis e consumidores

Iniciativa do Idec busca auxiliar pequenos produtores em dificuldade durante a crise e fortalecer a saúde da população

SDR/GOVBA
Sem veneno, produtos agroecológicos fortalecem o corpo para enfrentar doenças

São Paulo – O Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) lançou a plataforma Comida de Verdade, que aproxima agricultores familiares e pequenos produtores de alimentos agroecológicos e orgânicos aos consumidores. Pelo site, é possível conferir onde está o produtor mais próximo da sua casa em diversos estados.

Acessando a plataforma, pode-se fazer a busca por região, estado ou cidade, e os resultados mostram nomes de estabelecimentos, horário de funcionamento, além dos tipos de alimentos vendidos e informações sobre entregas domiciliares e em pontos determinados. 

Segundo a diretora-executiva do Idec, Teresa Liporace, a iniciativa tem por objetivo conectar a produção diretamente aos interessados. Em tempos de isolamento social, em função da pandemia do coronavírus, esses pequenos produtores têm encontrado dificuldades para escoar a produção.

Além de garantir renda às famílias dos agricultores, a intenção é garantir às pessoas uma alimentação mais saudável, inclusive como forma de fortalecer o sistema imunológico para conter os possíveis sintomas da doença.

“Tomamos a iniciativa de criar a plataforma Comida de Verdade principalmente porque entendemos que, nesse momento, é muito importante o consumidor poder se alimentar bem, fazendo escolhas alimentares mais saudáveis como forma de prevenção. Por outro lado, também tem uma dimensão social. São pequenos produtores que dependem da venda desses produtos para sobreviver”, disse Teresa à repórter Larissa Bohrer, para o Jornal Brasil Atual, nesta sexta-feira (17).

“A lógica do atual sistema alimentar tem sido incapaz de gerar saúde respeitando os limites do planeta. Essa dinâmica tende a se intensificar ainda mais durante a pandemia. Por isso, é importante refletirmos sobre os padrões de produção e consumo de alimentos”, aponta o analista de regulação Rafael Arantes ao site do Idec.