Sem terra

MST: a solidariedade entra em campo contra o coronavírus

Em tempos de pandemia, movimento estrutura trabalho em torno de cinco eixos para proteger as pessoas e garantir a soberania alimentar. “Um povo que não tem sua própria comida está fadado a muitas crises”

MST/Divulgação
Membro da coordenação do movimento conta ações de distribuição de alimentos em 17 estados do país para driblar crise ocasionada pelo coronavírus

São Paulo – Perto de completar 24 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás no Pará, na próxima sexta-feira (17), e inseridos no contexto de pandemia do novo coronavírus, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) encontrou na política da solidariedade uma forma de lutar contra os impactos sociais da covid-19. 

Não à toa, o que começou com duas iniciativas pontuais de distribuição de alimentação às pessoas em situação de rua no Maranhão e em Pernambuco tem agora pontos de ações em outros 17 estados diferentes, com doações de alimentos, leites e o programa Marmita Solidária, como conta o integrante da coordenação nacional do MST João Paulo Rodrigues, em entrevista aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria, na Rádio Brasil Atual

“Tem sido um trabalho muito bonito, porque nós aprendemos com os cubanos que a solidariedade não é dividir o que sobra, mas dividir o que se tem”, ressalta. 

A força desses agricultores familiares foi saudada nesta segunda-feira (13) pela chef de cozinha e apresentadora Bela Gil, que clamou pela reforma agrária no Brasil. Agora, além do desafio histórico, o MST também demanda a garantia que de que no segundo semestre possa continuar produzindo para assegurar parte do abastecimento nacional. 

Para isso, o integrante da coordenação nacional explica que o movimento tem realizado um trabalho de prevenção com as famílias assentadas e acampadas, tendo como eixos fundamentais o isolamento produtivo, o acesso a uma linha de crédito emergencial que permita a produção familiar, a luta pela liberação de recursos via Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA), o fortalecimento de ações de solidariedade junto a outras organizações da sociedade civil e o combate à violência contra crianças e mulheres.

O MST ainda assina, junto com outros movimentos sociais, a campanha #TaxarFortunasParaSalvarVidas, que defende a elevação dos impostos sobre os mais ricos. “Não podemos admitir que cinco grandes bilionários tenham quase R$ 400 bilhões só eles, sozinhos, enquanto temos mais de 50 milhões de pobres vivendo e precisando dos R$ 600 nessa conjuntura. Precisamos de um projeto de emenda urgente. É uma briga grande porque metade do Congresso Nacional é mandado por esse ricos”, aponta João Paulo. 

Não é só por segurança alimentar, é soberania 

O membro da coordenação nacional do MST também reforça a articulação do movimento pela soberania alimentar no lugar do conceito de segurança. Concebida pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês), a ideia de segurança alimentar estabelecia ao Estado, mercado e agricultores, a garantia da produção de alimentos às pessoas, mas, o contexto atual de crise, evidencia que o mercado não tem capacidade de fazer isso. “Pelo contrário”, contesta João Paulo. 

“O mercado está especulando, o pacote de feijão está sendo vendido (mais caro). E segundo que o Estado (também) não vai fazer isso, o estoque das empresas de alimentos no Brasil estatal, que é a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) não tem nenhum tipo de produto, está na escassez total”, adverte, para defender a chamada soberania alimentar.

“Que é o direito de você produzir, guardar e ter comida. Para nós, a soberania alimentar é produzir no campo e também nas cidades. Por isso que, na nossa avaliação, um povo que não tem a sua própria comida é um povo que está fadado a muitas crises”, acrescenta o membro do MST.

João Paulo destaca que a reforma agrária no país continua como uma possível saída da crise. “Os assentamentos de reforma e agricultura familiar têm dado uma resposta e, em vez de plantar só soja, eucalipto ou cana, estamos plantando comida para o povo brasileiro, comida de verdade”, finaliza.

Ouça: