Luta por igualdade

Mulheres ocupam as ruas neste domingo para rejeitar as agressões à democracia

Em São Paulo, mulheres se concentram na Av. Paulista a partir das 14h. No Rio, a mobilização é às 17h, na Candelária. Ao todo, 23 estados e DF realizam atos

Marcha Mundial das Mulheres / Elaine Campos
Movimento das mulheres está articulado neste domingo em 23 estados e no Distrito Federal

São Paulo – Os movimentos feministas e populares realizam mais uma manifestação do Dia Internacional da Mulher, neste domingo (8). Em São Paulo, as mulheres se concentram na Avenida Paulista, a partir das 14h.

Todos os anos, homens e mulheres saem às ruas contra o feminicídio, por mais direitos e para denunciar o machismo. Neste ano, os movimentos adotaram o tema “Por nossas vidas, democracia e direitos! Justiça para Marielle, Claudias e Dandaras!”

O mote é uma resposta à conduta misógina do presidente Jair Bolsonaro e seguidores, que recentemente voltaram à tona em escala agressiva. Em 2020, os protestos do “8M” ganham também caráter de repúdio aos protestos convocados por Bolsonaro para o dia 15. 

Neste sábado, Bolsonaro voltou a convocar seus apoiadores para o ato do dia 15. E mais uma vez provocou indignação no campo progressista e entre as cúpulas do Legislativo e Judiciário, já que o dia 15 terá manifestações contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal. 

Centrais sindicais, movimentos sociais e feministas incluíram a defesa do Estado democrático de direito entre as principais bandeiras das manifestações populares previstas para o mês de março, incluindo este Dia Internacional da Mulher.

São esperadas também mobilizações para o dia 14, data em que se completam dois anos do assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ) e do motorista Anderson Gomes. Outra data na qual os movimentos populares investem para realizar uma grande jornada de protestos é o dia 18, em defesa da educação, dos serviços públicos e da democracia.

O movimento das mulheres está articulado neste domingo em 23 estados e no Distrito Federal. Dezenas de cidades, além das capitais, possuem atos marcados para o domingo. Um dos motes é o repúdio ao insulto de conotação sexual que Bolsonaro fez contra a repórter da Folha de S. Paulo Patrícia Campos Mello, após ela revelar a contratação de empresas, entre elas a Yacows, para disparar ilegalmente mensagens em massa pelo WhatsApp para benefícios políticos.

No Rio de Janeiro, por exemplo, elas se reúnem às 17h, na Candelária, centro da capital fluminense. Com o tema “Só da luta brota a liberdade”, as mulheres de Belo Horizonte se concentram, a partir das 9h, na ocupação Pátria Livre, saindo em direção à Praça Sete, região central, onde se juntarão com outras mulheres, e será encerrado na Praça da Estação.

Em Recife, ato das mulheres ocorre na tarde da segunda-feira (9), no Parque Treze de Maio. Ainda na região Nordeste, mas no dia 8, as feministas de Salvador se concentram no Cristo da Barra, às 9h. No Ceará, a manifestação está marcada para às 13h, no Centro Dragão do Mar.

Confira a programação em todo o país.