gestão Covas

Coronavírus: sem poder trabalhar, camelôs estão sem apoio da prefeitura

Com a decretação de quarentena por conta da pandemia de coronavírus, trabalhadores ambulantes não receberam qualquer apoio da prefeitura

Arquivo EBC/ABr
Trabalhadores informais, como camelôs e motoristas de Uber, vivem um dilema entre o risco de contaminação e a perda da renda familiar

São Paulo – Após quatro dias da decretação de quarentena na capital paulista devido à pandemia de coronavírus, trabalhadores ambulantes estão desesperados com a falta de apoio do prefeito Bruno Covas (PSDB). O decreto vale até 7 de abril, mas pode ser prorrogado. Nenhuma medida para auxiliar os camelôs foi anunciada pela prefeitura e eles dizem não saber como vão se manter sem a única fonte de renda. Mesmo com medo da contaminação pelo coronavírus, alguns cogitam voltar às ruas se não houver medidas de apoio à sobrevivência.

“Suspendeu nosso trabalho, mas não suspendeu as nossas contas. Aluguel, água, luz, alimentação, remédios. A gente trabalha de dia para comer a noite. O prefeito baixou o decreto e nos deixou ao Deus-dará”, disse Margarida Veras, de 58 anos. Covas autorizou a apreensão dos produtos e a suspensão dos Termos de Permissão de Uso (TPU) – documento que autoriza o trabalho ambulante – de quem desrespeitar o decreto. A capital paulista tem cerca de 150 mil camelôs, mas apenas 2 mil com TPU. Segundo dona Margarida, a prefeitura também não suspendeu a cobrança trimestral da licença do TPU, atualmente em R$ 840.

Trabalhadores ambulantes pedem ajuda à gestão Bruno Covas para se manter

“Fizemos uma reunião do Fórum dos Ambulantes e milhares de trabalhadores estão sem poder trabalhar. Estão passando necessidade. Se não houver um apoio emergencial do poder público, as pessoas vão passar fome”, explicou o advogado Benedito Roberto Barbosa. Os camelôs estão gravando vídeos contando sua situação e apelando que o governo Covas efetive algum auxílio aos trabalhadores. Uma esperança surgiu com a aprovação da renda básica, na Câmara, na noite de ontem (26), que pode pagar uma ajuda de até R$ 1.200 a trabalhadores informais e outros grupos vulneráveis durante a pandemia.

Camelôs fazem apelo ao governo Covas para criar medidas de apoio econômico

Pequeno comércio

Da mesma forma que os trabalhadores ambulantes, os pequenos comerciantes nas periferias também estão enfrentando dificuldades com a falta de medidas de apoio dos governos. “A gente ouve falar que o governo vai ajudar, mas, na verdade, nenhuma ajuda nunca chega aqui”, diz Luiz*, que tem uma pequena loja de utilidades domésticas no Grajaú, extremo sul da capital paulista. Com a decretação de quarentena devido à epidemia de coronavírus, ele fez “alguns malabarismos” para manter o pequeno comércio que mantém a família de seis pessoas, mais oito funcionários.

“Eu tô funcionando assim”, diz Luiz, apontando as portas baixas, mas com cerca de 60 centímetros de abertura. “Se o cliente encosta, um funcionário sai e vai ver o que ele precisa. Aí volta e separa, leva a maquininha até o carro. E pronto, o cliente não precisa nem sair do carro”, explica. Ele também disponibilizou o número pessoal para as pessoas fazerem os pedidos pelo WhatsApp e depois só passarem para pegar. “É tipo um drive thru de coisas para casa”, brinca.

A situação de Luiz é comum em outros bairros da capital. Cartazes com números para contato via WhatsApp e portas entreabertas estão por toda parte. Pequenos comerciantes, sem condições para acessar benefícios governamentais e financiamentos especiais, estão preocupados com os impactos da epidemia de coronavírus no país, em especial na cidade de São Paulo, que concentra o maior número de casos e mortes. O Brasil tem 3.417 casos confirmados de infecção por coronavírus, com 92 mortes.


Leia também


Últimas notícias