Despreparo

Protesto alerta para gestão ‘aterrorizante’ da Fundação Casa de Rui Barbosa

Professora da UFRJ denuncia despreparo da nova presidente nomeada por Bolsonaro. "Inacreditável o que está acontecendo", diz cineasta Silvio Tendler

Facebook/Midia Ninja
Presidente recém-nomeada da Fundação Casa de Rui Barbosa, é roteirista da Record e afilhada de Marco Feliciano

Rio de Janeiro – Pesquisadores e intelectuais realizaram nesta terça-feira (14), na capital fluminense, um protesto em defesa da Fundação Casa de Rui Barbosa. No início de janeiro, foram exonerados cinco dos principais pesquisadores e coordenadores de pesquisa da fundação. Os funcionários temem que as demissões sejam o primeiro passo do governo Bolsonaro para o desmonte do centro de pesquisa.

A Fundação Casa de Rui Barbosa é um dos mais importantes centros de pesquisa do Brasil, referência na preservação histórica e cultural do país e da cidade do Rio. As portas da casa, no bairro do Botafogo, zona sul, foram trancadas pela direção com objetivo de obstruir a manifestação, que acabou ocorrendo da rua.

“Um grupo especialíssimo de pesquisadores de excelência, reconhecidos mundialmente, foi exonerado. É uma casa importantíssima, um ‘oásis’ para o Rio e para o país, e não pode ser despedaçada da maneira como está”, afirma a atriz e professora Angela Rebelo.

A presidenta da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Eleonora Ziller Camenietzki, criticou o “despreparo” da atual direção da casa. “O que nos aterroriza é o absoluto despreparo que a pessoa nomeada pela Presidência da República, sobre questões mínimas, técnicas, do que é ser dirigente da Casa de Rui Barbosa. Intimidade zero com os livros, entendimento nenhum do que é preservação de acervo, o que é uma pesquisa científica com arquivos originais. Enfim, sobre o trabalho e o significado da casa.”

“É inacreditável o que está acontecendo”, diz o cineasta Silvio Tendler, um dos mais importantes documentaristas do país. “Eu não acreditava que isso pudesse se repetir, ouvir de novo essa sirene assustadora da polícia contra pensadores.”

Com a paralisação de serviços importantes, como o atendimento jurídico a refugiados e imigrantes, funcionários e usuários da Fundação Casa de Rui Barbosa participaram do protesto para denunciar a gestão da presidente recém-nomeada, Letícia Dornelles, que classificou a reação à demissão dos pesquisadores como “muito choro por coisas desnecessárias”. Os pesquisadores estudam acioná-la judicialmente por difamação. Letícia Dornelles é roteirista de novelas da TV Record e afilhada do pastor Marco Feliciano.

Acompanhe na reportagem de Viviane Nascimento par o Seu Jornal, da TVT.