Nunca mais

Paus de arara em Copacabana: protesto pela democracia e por direitos

Representando os anos de ditadura, 21 desses instrumentos de tortura foram colocados na praia. Ato lembrou aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos

Rio da Paz
Uma triste cena do período da ditadura, ainda parte da realidade brasileira, integrou o cenário de um cartão-postal brasileiro

 São Paulo – No dia em que se celebra a Declaração Universal dos Direitos Humanos, a ONG Rio da Paz realizou protesto na praia de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, pela democracia e por direitos, e contra a violência. Em um dos cartões-postais brasileiros, foram colocados 21 paus de arara, instrumento “clássico” de tortura. O número equivale aos anos da ditadura civil-militar (1964-1985). Voluntários ficaram pendurados.

Segundo a organização, a atividade acontece em um momento do país que vê “manifestações saudosistas” da ditadura e até de apoio ao Ato Institucional número 5, o AI-5, que marcou o início do período mais violento do regime autoritário. Recentemente, o senador Eduardo Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes fizeram declarações nesse sentido.

“A gente sente o que aconteceu. Ter que colocar minha melhor amiga no pau de arara (durante o protesto) foi horrível. Infelizmente, a gente ainda tem que lutar contra a ditadura porque tem gente que acha isso certo. O que o país viveu foi ditadura, não revolução como muitos defendem. Estamos representando as famílias dos desaparecidos desse período”, afirmou a estudante Paula Montenegro, de 17 anos, que participou da manifestação.

“Eles não viveram o período da ditadura, que roubou 21 anos da minha vida. Esses jovens têm que ter consciência cívica de não deixar que isso aconteça na geração deles”, disse o presidente da ONG, Antonio Carlos Costa. “Temos autoridades falando na volta do AI-5. Não aceitaremos um retrocesso histórico. O AI-5 é uma ameaça, um ataque às nossas garantias constitucionais.”