Culpa e omissão

Governo Bolsonaro tem responsabilidade em novo atentado contra indígenas Guajajaras 

Duas lideranças foram assassinadas no último sábado, no Maranhão. Em novembro, outro líder da etnia também foi morto. Cimi culpa governo por discursos e demanda compromisso do ministro Sergio Moro, que tem sido "omisso e apático" em suas funções

Cimi/Divulgação
Cansados da impunidade da violência contra os indígenas, povo Guajajara fechou rodovia BR-226 na tarde deste sábado (7), contra mais duas mortes na região

São Paulo – Indígenas do povo Guajajara foram atacados a tiros no sábado (7), próximo à aldeia El Betel, na Terra Indígena Cana Brava, no município de Jenipapo dos Vieiras, no Maranhão. Dois caciques foram mortos: Firmino Praxede Guajajara, da TI Cana Brava, e Raimundo Belnício Guajajara, da TI Lagoa Comprida. Outros dois indígenas da etnia ficaram feridos, mas já estão fora de perigo e sendo atendidos em um hospital no município de Presidente Dutra.

De acordo com o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), as lideranças participavam de reunião com a Eletronorte para discutir projetos que a empresa do setor elétrico se comprometeu a desenvolver no território do povo Guajajara. Quando retornavam do encontro pela rodovia BR-226, atiradores, de dentro de um automóvel branco, alvejaram as lideranças. Esse é o segundo ataque a tiros contra indígenas Guajajara em menos de dois meses.

Em 1º de novembro, em uma emboscada preparada por invasores, o líder Paulo Paulino Guajajara foi assassinado na TI Araribóia, também no Maranhão. O indígena Laércio Souza Silva Guajajara também chegou a ser ferido pelos tiros, mas conseguiu sobreviver. Para o coordenador-regional do Cimi no Maranhão, Gilderlan Rodrigues da Silva, não há mera coincidência nestes crimes, como alerta em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual.

“Nós avaliamos que o discurso do presidente (Jair Bolsonaro) de fato tem estimulado a violência contra os povos indígenas, e o resultado disso é o que a gente está vendo”, afirma Gilderlan. “As terras indígenas, que estão na área da Amazônia, estão sofrendo cada vez mais com invasões potencializadas por esse discurso presidencial que ele tem feito desde a sua campanha. Logicamente isso também (ocorre pela) certeza da impunidade, porque uma coisa vai levando à outra, até então vários que cometeram crimes contra os indígenas não foram responsabilizados e isso também garante, potencializa, essa violência contra os povos indígenas na região”.

Coordenadora-executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), Sonia Guajajara também atribuiu o novo episódio de violência ao presidente Bolsonaro. Em um vídeo divulgado em suas redes sociais, Sônia disse que esses crimes “não são casos isolados”. “São reflexo do ódio que vem sendo disseminado pela autoridade máxima do país contra nós, povos indígenas. O presidente deveria cumprir a Constituição Federal e garantir a proteção às nossas vidas e ao meio ambiente. Infelizmente o que vemos é o contrário, um comportamento que não condiz a um presidente”, contestou.

Até hoje, o assassinato do líder Paulo Paulino não foi solucionado. Nenhum dos criminosos foi identificado ou preso. Diante da impunidade, os indígenas impediram o acesso de veículos à BR 226 na tarde do sábado.

“O povo está com medo e o medo não vem só por conta das mortes. Há muito tempo eles (indígenas) vêm denunciando essas práticas de invasão, as ameaças que as lideranças estão sofrendo, o aumento da violência contra eles, isso há muito tempo já se sabia. Logicamente com os últimos acontecimentos esse medo está potencializado e leva os indígenas a pedirem mais proteção em seus territórios àquelas lideranças que estão sendo ameaçadas, para que eles não possam perder mais suas pessoas, os lutadores do povo, e que a proteção seja efetivada em seus territórios, isso é o que eles têm pedido desde sempre”, ressalta o coordenador do Cimi.

Moro também é responsável

No entanto, de acordo com Gilderlan, apesar das ameaças a Funai tem seu trabalho “limitado” e foi entregue pelo governo Bolsonaro “nas mãos dos ruralistas”, com apoio do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, pasta à qual a Funai é vinculada. “Ele não tem cumprido o seu papel, deixando as terras indígenas totalmente desprotegidas, apesar das denúncias que os indígenas fazem, denúncias concretas. E, por conta deles não estarem protegidos, acaba acontecendo isso, é responsabilidade do Ministério da Justiça também.”

Pelo Twitter, Moro se limitou a dizer que uma equipe foi deslocada ao local para investigar o crime e as motivações. Mas, segundo o coordenador regional do Cimi, o ministro tem na verdade se recusado a receber representantes indígenas para tratar dessas denúncias e da demanda por demarcação de TIs. “Fica se manifestando pelo Twitter, ao invés de pensar uma política de proteção para os territórios e lideranças indígenas. Uma postura omissa e apática daquilo que é atribuição do ministério da Justiça”, destaca Gilderlan.

A jornalista Eliane Brum, reconhecida pela cobertura na área ambiental, afirmou que o país está “testemunhando o massacre dos povos indígenas”. Ela cobrou da sociedade uma mudança de postura diante dessa violência. “A maioria dos brasileiros vai continuar se omitindo?”, questionou. 

Ouça a entrevista na íntegra