Home Cidadania Patricia Hill Collins, autora de ‘Pensamento Feminista Negro’, vem ao Brasil da menina Ágatha
Democracia em Colapso?

Patricia Hill Collins, autora de ‘Pensamento Feminista Negro’, vem ao Brasil da menina Ágatha

"Mulheres negras resistem cultivando comunidades em que a vida de filhos, de entes queridos e a nossa própria importam", diz Patricia Hills. Ela estará no Sesc, que abre inscrições nesta quarta
Publicado por Cláudia Motta, para a RBA
07:06
Compartilhar:   
Evelson de Freitas e Bruno Ilna/Olhar Complexo

Patricia Hill chegará ao Brasil semanas depois do assassinato da menina Agatha Vitória Félix

São Paulo – Quando Patricia Hill Collins publicou, em 1990, o livro Pensamento Feminista Negro, sua mãe já havia morrido. Filha única de Eunice, uma secretária, e Anthony, um trabalhador de fábrica, Patricia foi a primeira mulher negra a presidir a Associação Americana de Sociologia, em mais de 100 anos de história da entidade. Mas isso sua mãe também não viu. A autora relata que conforme ia escrevendo, falava com ela, por ela e para além dela, “honrando sua memória conforme criava um futuro para mim e para as mulheres e meninas negras, um futuro com o qual ela não teria ousado sonhar para si própria”.

Professora e filósofa, Patricia Hill Collins estará no Brasil em outubro, como palestrante do evento Democracia em Colapso?, parceria do Sesc São Paulo e da editora Boitempo, responsável pelo lançamento de Pensamento Feminista Negro em língua portuguesa. A RBA está entre os veículos correalizadores do evento.

Na edição de 1990, Collins relata no prefácio que aos 5 anos de idade foi escolhida para representar a Primavera no desfile da pré-escola. “Estar rodeada de crianças como eu – filhas e filhos de trabalhadores – afirmava quem eu era”, lembra. Seu bom desempenho a fez sentir-se importante: “Meus pensamentos, sentimentos e conquistas tinham valor”.

Mas, à medida que seu mundo se ampliou, relata, aprendeu que nem todos concordavam com isso. “Fui percebendo que eu era cada vez mais a ‘primeira’, ‘uma das poucas’ ou a ‘única’ afro-americana e/ou mulher e/ou pessoa vinda da classe trabalhadora na escola, na comunidade e no ambiente de trabalho.”

Eirin Nilsen/Universidade de Oslo

Patricia Hill Collins, ativista intelectual do feminismo negro

Vidas negras importam

A escritora observa que alguns detalhes podem ter mudado, desde que o livro foi publicado pela primeira vez, em 1990. “Mas enquanto os problemas sociais enfrentados pelas mulheres negras continuarem a existir, a resistência das mulheres negras persistirá”, afirma. “As mulheres negras resistem, seja compartilhando pequenos momentos de amor umas com as outras na vida cotidiana, seja cultivando comunidades nas quais a vida de nossos filhos, de nossos entes queridos e nossa própria vida importam…”

Patricia chegará ao Brasil semanas depois do assassinato da menina Agatha Vitória Félix. E provavelmente saberá que a menina, também negra e filha de trabalhadores, crescia com a dedicação de seus pais na comunidade Fazendinha, no Complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro. Que fazia inglês, balé, era ótima aluna. E talvez tenha até interpretado a Primavera alguma vez na escola.

Há menos de um mês do seminário, é impossível não pensar se, em um mundo onde democracia e oportunidades iguais andassem de mãos dadas, a menina de 8 anos talvez pudesse ter-se tornado uma liderança em sua comunidade, talvez professora, escritora, bailarina. Mas sua mãe não poderá ver nada disso. Agatha foi a 16ª criança morta por arma de fogo no Grande Rio, desde que o governador Wilson Witzel (PSC), eleito com o apoio do presidente Jair Bolsonaro (PSL), assumiu o poder estimulando ações policiais de extermínio.

Inscrições abertas nesta quarta (25)

Não por acaso, o feminismo, mais especificamente o feminismo negro, tem papel de destaque nos debates do seminário que reunirá cerca de 50 convidados nacionais e internacionais, entre eles as escritoras Angela Davis e Silvia Federici. Confira a programação completa do evento que vai da terça-feira, 15 de outubro, a sábado (19) no Teatro Paulo Autran do Sesc Pinheiros (Rua Paes Leme, 195).

O seminário internacional Democracia em Colapso? tem inscrições abertas a partir das 14h desta quarta-feira (25), no site do Sesc e nas centrais de atendimento de todas as unidades no estado de São Paulo. Serão duas modalidades de inscrição: para o curso A democracia pode ser assim: história, formas e possibilidades e para o ciclo de debates. Em ambos os casos, haverá certificado para os participantes que apresentem no mínimo 75% de presença.

Os organizadores informam que as vagas costumam ser rapidamente esgotadas. Então, quem quiser participar do seminário deve ficar atento.

Os valores para o curso vão de R$ 18 (credencial plena do Sesc), R$ 30 (meia para estudantes, servidor de escola pública, mais de 60 anos, aposentados e pessoas com deficiência) a R$ 60 (inteira). Para o ciclo de debates os valores serão de R$ 27, R$ 45 e R$ 90,  respectivamente. Serão vendidos também ingressos avulsos nos dias dos debates, na bilheteria do Sesc Pinheiros, caso ainda existam lugares disponíveis: a R$ 12, R$ 20 e R$ 40.

É admitida apenas uma inscrição por pessoa, seja pelo site, seja nas unidades do Sesc. O pagamento on-line só pode ser feito com cartão de crédito; pagamento em débito ou dinheiro somente nas unidades do Sesc. Para quem fizer inscrições com meia entrada ou credencial do Sesc, o comprovante e a carteirinha deverão ser obrigatoriamente apresentados no dia do evento. Caso haja disponibilidade, ingressos avulsos para os debates serão vendidos a partir de 9 de outubro, pelo portal Meu Sesc (apenas neste casos, será necessário cadastro prévio no site do Sesc).