Home Cidadania Ferramenta destaca perfil profissional de mulheres negras produtoras de tecnologia
Democratização

Ferramenta destaca perfil profissional de mulheres negras produtoras de tecnologia

Criado pelo PretaLab, site reúne perfis para conhecimento das empresas de TI, ainda muito desiguais nos quesitos gênero e raça. "Ter mais diversidade pode de fato transformar a sociedade", destaca coordenadora da iniciativa, Silvana Bahia
Publicado por Clara Assunção
14:03
Compartilhar:   
Olabi/Reprodução

Levantamento mostra que em 21% das equipes de tecnologia do país não há sequer uma mulher, enquanto que em 32,7% dos casos, não há nenhuma pessoa negra

São Paulo – Homens, brancos, jovens de classe sócio-econômica média e alta, e que começaram a vida profissional a partir de centros formais de ensino . Esse é o principal perfil das pessoas que trabalham com tecnologia no Brasil, setor que deixa de fora principalmente as mulheres negras, como mostra levantamento realizado pelo PretaLab em parceria com a Thoughtworks. Divulgado na semana passada, a pesquisa “Quem coda o Brasil?”, indicou que em 21% das equipes de tecnologia do país não há sequer uma mulher, enquanto que em 32,7% dos casos não há nenhuma pessoa negra e, em 95,9% das vezes, não havia nenhuma pessoa indígena entre os profissionais das empresas de TI.

Com dados coletados entre novembro de 2018 a março de 2019, em 21 estados brasileiros, incluindo o Distrito Federal, o estudo comprovou que além da baixa diversidade de gênero, por um recorte racial, a área de tecnologia é principalmente desigual para as mulheres negras. Para a diretora de Programas da Olabi e coordenadora da PretaLab, Silvana Bahia, esse quadro de pouca representatividade é resultado da baixa qualificação, do preconceito, da falta de conscientização das empresas, mas também da dificuldade em olhar para o acesso e manutenção dessas pessoas nos espaços corporativos.

Foi pensando nessas falhas que a organização social, criada para democratizar a produção de tecnologia, lançou na quinta-feira (29) uma ferramenta digital que reúne perfis de mulheres negras que trabalham em tecnologia em diversas áreas. “Agora a gente espera estourar as bolhas e chegar em mais pessoas. Isso é um desdobramento de um levantamento que fizemos em 2017, mas agora com cara e link de rede social, uma resposta para isso de ‘ah, não encontro mulheres negras qualificadas nessa área’. Entra lá que você encontra”, destaca a coordenadora aos jornalistas Glauco Faria e Nahama Nunes, da Rádio Brasil Atual.

As mulheres negras e indígenas que querem se cadastrar, podem fazer o registro na aba “perfis” disponível no site da PretaLab. De acordo com Silvana, antes mesmo da plataforma vir a público já tinham mais de 100 perfis cadastrados.

Mesmo em meio ao contexto de desemprego, que prejudica em sua maioria mulheres negras e jovens como mostram dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o mercado de tecnologia tende a ser promissor no Brasil. Segundo dados da Associação Brasileira de Startups, o setor irá precisar de cerca de 420 mil profissionais até 2024. “É por isso que a gente quer estimular que as mulheres negras olhem para esse cenário como oportunidade de empregabilidade e renda, e na diversidade na produção de tecnologia (…) A gente se pergunta muito pouco sobre quem produz as tecnologias e a quem elas estão servindo. Ter mais diversidade pode de fato transformar a sociedade”, avalia Silvana.

Você pode se cadastrar no PretaLab clicando aqui.

Confira a entrevista da Rádio Brasil Atual