Home Cidadania Defensor de direitos sociais, padre Ticão sofre ameaças de grupos conservadores
intolerância

Defensor de direitos sociais, padre Ticão sofre ameaças de grupos conservadores

Líder católico na zona leste de São Paulo realizou um evento com feministas e foi atacado por fundamentalistas
Publicado por Felipe Mascari
11:08
Compartilhar:   
TVT/REPRODUÇÃO

O grupo que atacou o padre Ticão chegou a incitar a diocese de São Miguel Paulista para expulsá-lo. 'Nós estamos processando todas essas pessoas que têm preconceito', disse o pároco

São Paulo – O padre Antônio Luiz Marchioni, o Ticão, tem sido alvo de ameaças de morte por parte de conservadores, após realizar um debate sobre aborto e uso medicinal da maconha, no último sábado (10).  Há 30 anos, o líder religioso é reconhecido por lutar pelos direitos sociais, em Ermelino Matarazzo, zona leste de São Paulo.

A fúria de grupos fundamentalistas da Paróquia São Francisco de Assis começou após a 36ª Semana da Juventude, no sábado. O evento tratou sobre racismo, políticas públicas, juventude, além de uma celebração ecumênica e uma romaria de jovens à Basílica de Nossa Senhora Aparecida. Os ataques começaram nas redes sociais, mas foram dirigidos ao local. Tainá Gutierrez, do grupo de jovens da igreja, rebate as calúnias contra o padre e os jovens.

“Em outras edições da semana da juventude já tínhamos tratado de temas semelhantes a esse, como a saúde preventiva e o aborto. Para quem viu somente o cartaz, parecia que a gente estava criando um ‘movimento abortista’ dentro da comunidade. Sem se dar o direito de duvidar, começaram a fazer notas de repúdio, sem querer entender o movimento”, relatou ela, em entrevista à repórter Dayane Ponte, da TVT.

Rafaela Guabiraba, integrante da Igreja Povo de Deus em Movimento, ficou espantada com a demonstração de ódio. “A palavra que ficou estagnada foi o medo. Foi assustador. Nunca tinha visto algo tão agressivo por membros da nossa própria igreja. Tem pessoas que foram ameaçadas até com ligações anônimas”, disse.

O grupo que atacou o padre Ticão chegou a incitar a diocese de São Miguel Paulista a expulsá-lo. “Nós estamos processando todas essas pessoas que têm preconceito. Por exemplo, eles fizeram uma série de difamações contra a minha pessoa e a paróquia. São pessoas que carregam símbolos religiosos e armas, mas eles têm onde se espelhar, com um presidente que defende a tortura”, afirmou o pároco, que contou com manifestação de apoio, também no sábado.

Um inquérito instaurado no 62º Distrito Policial, de Ermelino Matarazzo, apura os crimes de ameaça, injúria e difamação. Um homem que não é policial militar e enviou ameaças de morte ao padre vestido com farda da Polícia Militar também é investigado, segundo o jornal Folha de S.Paulo.

Para Tabata Tesser, do grupo Católicas pelo Direito de Decidir, essas manifestações de ódio não refletem o que a religião católica representa. “Isso está inserido no fundamentalismo religioso e do obscurantismo com as pautas consideradas polêmicas. Nós sofremos uma tentativa de silenciamento, mas não passa disso. A ameaça de morte do padre é uma posição anti evangelho”, criticou.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT