assassinato

Motorista avança sobre manifestação do MST, atropela e mata idoso

Outras cinco pessoas ficaram feridas, incluindo um jornalista, durante ato em Valinhos, no interior paulista. Condutor do veículo está foragido

Esquerda Online
Cerca de 500 integrantes do acampamento Marielle Vive protestavam pelo falta de fornecimento de água, na Estrada dos Jequitibás

São Paulo – Um motorista não identificado avançou com um veículo sobre manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em Valinhos, no interior paulista, nesta quinta-feira (18). As famílias faziam parte do acampamento Marielle Vive. Um homem de 73 anos morreu e cinco pessoas ficaram feridas, entre elas o jornalista Filipe Tavares, de 59 anos, que sofreu escoriações e passou por exames na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade. O motorista fugiu.

Cerca de 500 integrantes do acampamento manifestavam na Estrada dos Jequitibás, distribuíam alimentos e faziam um ato público cobrando da prefeitura o fornecimento de água.  De acordo com o relato dos sem terra, o condutor da caminhonete deixou clara sua intenção de atingi-los e acelerou o carro sobre eles. Testemunhas também afirmam que o assassino estava armado e ameaçou os manifestantes quando eles tentaram perseguir o veículo.

Luiz Ferreira da Costa não resistiu aos ferimentos e morreu antes de chegar à UPA. Ele estava prestes a concluir sua formação em alfabetização para adultos.

Em nota, o MST exige punição ao assassino, “que age sob o clima de terror contra os movimentos populares, incentivado por autoridades irresponsáveis que estão no governo brasileiro”. “Nós já temos a descrição da caminhonete. Vai ser fácil a identificação da placa do carro e do assassino do Luiz. A estrada é toda cercada de câmeras de segurança”, disse Kelli Mafort, da coordenação local do movimento, ao Brasil de Fato.

O deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP) afirmou que o clima de ódio entre brasileiros ganhou ainda mais força neste ano. “Milicianos da cidade e do campo se acham livres para tirar vidas de trabalhadores e militantes políticos. Assassinos covardes!”, publicou, em sua conta no Twitter.

Já o deputado estadual Carlos Giannazi (Psol-SP) anunciou que acionará a Secretaria de Segurança Pública, o Ministério Público e a Defensoria Pública para que providências sejam tomadas “em caráter de extrema urgência”. “Um homem matou um manifestante idoso e feriu diversas pessoas em Valinhos. Não ficará impune!!”, disse.


 Com informações do Brasil de Fato