Home Cidadania Cresce violência contra população de rua no Brasil. São Paulo lidera atos violentos
onda de ódio

Cresce violência contra população de rua no Brasil. São Paulo lidera atos violentos

Segundo dados do Ministério da Saúde, mulheres negras de 15 a 24 anos são as principais vítimas
Publicado por Felipe Mascari
11:40
Compartilhar:   
Tânia Rêgo/Agência Brasil

São Paulo concentra o maior número de sem tetos do país e lidera o ranking de hostilidade contra essas pessoas, com 788 casos de violência registrados

São Paulo – O Brasil registrou ao menos 17 mil casos de violência contra pessoas em situação de rua, entre 2015 a 2017, segundo o Ministério da Saúde. Os números foram calculados com base nos registros do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). E levam em conta os casos em que a motivação principal do ato violento era o fato de a pessoa ser vulnerável.

Cerca de 16 mil pessoas moram nas ruas da capital paulista. A cidade concentra o maior número de sem-tetos do país e lidera o ranking de hostilidade contra essas pessoas, com 788 casos de violência registrados. Os jovens moradores de rua com idade entre 15 a 24 anos são o principal alvo da violência: 38% dos casos. A maioria das vítimas se declara negra, com 54% das notificações.

De acordo com Robson Mendonça, coordenador do Movimento Estadual da População em Situação de Rua, a falta de amparo do Estado somada à visão higienista das pessoas são as principais causas das agressões. “Por exemplo, com falta de banheiros públicos a população de rua termina usando as calçadas, causando um certo transtorno. Isso faz os higienistas tratarem os outros com violência e aumenta esses dados contra a população de rua”, diz Mendonça, em entrevista ao repórter André Gianocari, da TVT.

A agressão física é a mais comum e acontece em 92% dos casos, sendo que, em 19% deles, os ataques se repetiram. Apesar de os homens serem maioria nas ruas, a taxa de violência contra as mulheres é maior, principalmente entre as mais jovens e de pele negra. Moças entre 15 e 24 anos de idade somam 38% dos casos. No geral, as mulheres são mais agredidas que os homens: 50,8% frente a 49,2%. “Infelizmente a gente encontra todo tipo de violência contra elas, violência física, psicológica, até um olhar meio estranho. É a realidade, porém muito triste”, lamenta a estudante Yoshabelle Freitas.

Para o padre Júlio Lancelotti, da Pastoral do Povo de Rua, a sociedade como um todo precisa ter posturas mais humanas com os desabrigados. “Neste momento da história que estamos vivendo, a violência está sendo legitimada e explicitada sem nenhum pudor.”

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT