Home Cidadania Para advogado, governantes estimulam violência policial
Em são paulo

Para advogado, governantes estimulam violência policial

"Os policiais agem como se tivessem uma licença para matar dada pelo governador João Doria, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Justiça Sérgio Moro", aponta advogado Ariel de Castro Alves
Publicado por Clara Assunção
14:05
Compartilhar:   
Condepe/Reprodução

PL 31/2019 que quer extinguir Ouvidoria das Polícias e Condepe a despeito do aumento da letalidade policial que, em abril, fez 213 vítimas

São Paulo – Policiais militares de São Paulo são suspeitos pela morte de mais um jovem. O violinista Rian Rogério dos Santos, de 18 anos, passava de moto em frente à escola estadual Natalino Fidêncio, em Carapicuíba, quando teria sido agredido por um policial da Ronda Escolar, que o abordou e, em seguida, bateu com um cassetete em sua cabeça. Ele acabou perdendo o controle do veículo, bateu contra uma mureta e caiu, morrendo no local.

Testemunhas que presenciaram a cena confirmaram a agressão contra Rian à Ponte Jornalismo. Além disso, imagens de uma câmera de segurança mostram o momento em que o violinista passa com a moto pela escola usando capacete, desmentindo ainda a versão apresentada pelos policiais militares que atenderam a ocorrência e disseram que a vítima poderia não estar usando o equipamento de segurança. De acordo com as testemunhas, o capacete teria caído depois do jovem ser golpeado pela PM.

Para o integrante do Conselho Estadual dos Direitos Humanos de São Paulo (Condepe) e membro do Grupo Tortura Nunca Mais, Ariel de Castro Alves, a morte de Rian é “mais uma tragédia provavelmente gerada pela violência policial, que vem aumentado e muito no estado de São Paulo”. “Os policiais agem como se tivessem uma licença para matar dada pelo governador João Doria, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Justiça Sérgio Moro”, acrescenta, em referência aos discursos, condecorações e propostas de lei, como o Pacote Anticrime, que estimulam a letalidade e o estado de violência. Nesta segunda-feira (27), os pais de Rian denunciaram o caso à Ouvidoria das Polícias, órgão que vem sendo alvo, no entanto, do Projeto de Lei 31/2019 do deputado estadual Frederico D’Ávila (PSL) que quer extingui-lo.

Ato público em defesa da Ouvidoria e do Condepe

A morte de Rian é mais um ato de violência que comprova a importância do órgão e do Condepe, também alvo de ataques de deputados estaduais, como avalia Ariel de Castro Alves que, nessa terça-feira (28), participou de um ato público, na Faculdade de Direito do Largo São Francisco da USP, contra a extinção dos órgãos de fiscalização.

Em apoio à Ouvidoria e ao Condepe, mais de 300 pessoas, entre elas, representantes de movimentos da sociedade civil organizada, agentes da segurança pública, intelectuais e parlamentares participaram do ato. “É fundamental o trabalho da Ouvidoria, ainda mais nos tempos atuais”, destaca Ariel que analisa a extinção como um interesse dos policiais violentos e corruptos. “Os criminosos que atuam na polícia, a banda podre, é a eles que interessa. Aos bons policiais não interessa porque eles querem também que seja extirpada a banda podre porque o mau policial prejudica toda a instituição”, afirma.

Com base em dados da Ouvidoria, de acordo com o integrante do Condepe, só em abril, a letalidade policial fez 213 vitimas, um aumento na comparação com o mesmo período do ano passado, em que morreram 197 pessoas em decorrência da violência policial.

Ouça a entrevista na íntegra