Coleção radiofônica

Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia – Volume 2

A RBA reúne aqui os comentários da professora Larissa Bombardi na Rádio Brasil Atual que tratam do atlas de sua autoria

Rádio Brasil Atual

Larissa Mies Bombardi

Larissa Mies Bombardi é professora e pesquisadora do departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP)

São Paulo – A pesquisadora Larissa Bombardi, do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (SP), estreou em março de 2018 na Rádio Brasil Atual. Desde então, a especialista traz um comentário semanal, a maioria deles abordando aspectos do atlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia.

RBA reúne, em quatro volumes, a coleção completa de comentários da pesquisadora, uma espécie de “atlas radiofônico” deste trabalho, que tem se tornado uma referência para estudiosos e leigos interessados na busca de uma economia agroecológica saudável e sustentável.

Acesse:  Volume 1Volume 3 | Volume 4

_______

Parte 1 – Pacote do Veneno avança (junho/2018)

Logo após a aprovação de relatório favorável ao pacote do veneno em comissão especial da Câmara dos Deputados, Larissa Bombardi voltou a abordar a ameaça que ele representa para a saúde pública. Também detalhou sessão na mesma Câmara dos Deputados sobre proposta que visa a redução do uso de agrotóxicos no país. 
Ouça:


_______

Parte 2 – Pesticidas envenenam jovens (junho/2018)

Larissa Bombardi destaca nesta edição a gravidade da intoxicação causada por pesticidas em crianças e adolescentes. Mostra que entre 2009 e 2014 faziam parte deste grupo um em cada cinco infectados, em um universo de 25 mil pessoas. Revela ainda que diversos adolescentes tem utilizado os agrotóxicos para cometer suicídio.

_______

Parte 3 – PL criminaliza produtor de orgânicos (julho/2018)

Outro PL, o 4576/16, é pauta de Larissa Bombardi nesta edição de sua coluna. A proposta restringe a comercialização de alimentos orgânicos do produtor direto para o consumidor. A especialista diz que o projeto “não se sustenta das próprias pernas” por ser omisso em diversos pontos e ainda criminaliza os produtores.

_______

Parte 4 – Blairo Maggi escancara estado de exceção (agosto/2018)

Declaração do então ministro da Agricultura, Blairo Maggi, sobre glifosato “é uma das faces do Estado de exceção”, considerou Larissa Bombardi em sua coluna. Isso porque o representante do governo deu uma declaração falsa comemorando uma suposta liberação do uso do agrotóxico no Brasil.

_______

Parte 5 – Condenação da Monsanto tem base científica (agosto/2018)

Larissa Bombardi destaca que uma condenação pioneira nos Estados Unidos contra a Monsanto, responsável pelo glifosato, de R$ 289 milhões “tem a ver com pesquisas científicas que mostram a correlação direta entre a exposição ao glifosato e casos de câncer”. Destaca ainda que também por conta de estudos científicos a França já decidiu que vai banir a substância de seu território a partir de 2022.

_______

Parte 6 – Alckmin é leviano e perigoso (agosto/2018)

A declaração do então candidato do PSDB à presidência da República, Geraldo Alckmin, de que agrotóxico é remédio foi criticada pela pesquisadora Larissa Bombardi. “É perigosa e leviana”, considera e explica os motivos. Ela aproveita e aborda os incentivos fiscais dados pelo governo estadual de São Paulo, sob Alckmin, que estimularam o consumo de agrotóxicos.

_______

Parte 7 – Críticas ao programa de Bolsonaro (setembro/2018)

Período de eleição, Larissa Bombardi começa a analisar as propostas dos presidenciáveis sobre a política para a alimentação e agricultura. Começa com o de Jair Bolsonaro, considerando que seu programa é “frágil, inconsistente e incoerente”. 

_______

Parte 8 – Reforma Agrária não sai (setembro/2018)

O último capítulo do Atlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia fala sobre a reforma agrária. A autora, Larissa Lombardi, destaca a tentativa de construção do plano nacional de reforma agrária no primeiro governo Lula e o resultado posterior marcado pelo avanço do agronegócio e da concentração fundiária.