Home Cidadania Comissão da Verdade do Rio de Janeiro faz exposição e conta luta por memória e justiça
História

Comissão da Verdade do Rio de Janeiro faz exposição e conta luta por memória e justiça

Mostra fica em cartaz até o dia 12 de julho no Colégio Brasileiro de Altos Estudos da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Publicado por Clara Assunção
09:52
Compartilhar:   
TVT/Reprodução

Exposição também marca oposição ao movimento que tenta negar a ditadura como um período de mortes e torturas

São Paulo – O trabalho da Comissão da Verdade do Rio de Janeiro no resgate de um período sombrio da história brasileira, a ditadura civil-militar, está ao alcance do público na exposição Rastros da Verdade: arquivos e memória da comissão estadual. Inaugurada na sexta-feira (17), a mostra apresenta documentos produzidos e pesquisados em quase três anos de atuação do grupo instalado em 2013.

Em cartaz até o dia 12 de julho, com visitação às sextas-feiras, no Colégio Brasileiro de Altos Estudos (CBAE/UFRJ), a exposição organizada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro percorre, ao longo de uma linha do tempo, os principais acontecimentos da luta por memória, verdade e justiça no Brasil, destacando o papel da luta social enfrentada por pais e familiares de desaparecidos, ex-presos políticos e movimentos da sociedade civil para que as comissões da verdade fossem criadas, além da repressão sofrida pela população negra e LGBTI.

Integrante da Comissão Nacional da Verdade, Nadine Borges ressalta a mostra como uma forma de democratizar o acesso à informação e de estimular a continuidade do trabalho de pesquisa e de construção da memória, em oposição ao negacionismo que tenta relativizar esse período marcado por mortes, torturas e cerceamento das liberdades individuais. “É uma resposta para enfrentar esse desconhecimento orquestrado por uma elite que sempre dominou o Brasil”, avalia Nadine em entrevista à repórter Viviane Nascimento do Seu Jornal, da TVT. “Um povo sem memória não tem existência, porque não tem passado, o presente é afetado e o futuro é algo sobre o qual não se tem segurança nenhuma.”

Para assistir à reportagem na íntegra, clique aqui