Inversão

Vale se faz de vítima e volta a processar professor por manifestação no Pará

Mineradora moveu ação contra Evandro Medeiros por protesto em Marabá pelos passivos ambientais e sociais da mineradora. Ele foi absolvido, mas mineradora recorreu da decisão

Fernando Frazão/EBC
Vale empresa

Na foto, prédio da mineradora que move ação contra professor. Medeiros vê tentativa de intimidação por parte da Vale

São Paulo – Depois de um protesto contra a Vale no Pará, um professor virou réu, enquanto a mineradora alega ser vítima, como conta em entrevista à Rádio Brasil Atual o pedagogo da Universidade Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) e documentarista Evandro Medeiros, acusado de ser o organizador da manifestação. Ocorrida no dia 20 de novembro de 2015, em Marabá, município do sudeste paraense, a ação – um bloqueio dos trilhos da Estrada de Ferro Carajás –, prestava homenagem às vítimas do crime da Samarco em Mariana (MG) e denunciava que as atividades de mineração da Vale naquela região paraense eram equivalentes às que haviam causado o desastre na cidade mineira, duas semanas antes.

A manifestação contava com a participação de estudantes, sindicalistas e membros das comunidades atingidas pela mineração. “A Vale filmou e fotografou os participantes do ato e me ‘escolheu’ para ser processado, porque sou um professor com uma certa visibilidade pública na cidade”, explica Medeiros à jornalista Marilu Cabañas.

Racismo Ambiental/reproduçãoVale processa professor Pará
Evandro Medeiros ‘escolhido’ pela Vale em campanha de intimidação popular

De acordo com o pedagogo, a Vale alega que houve obstrução do trilho, o que poderia ter causado acidentes. No entanto, julgado pela Vara Civil, Medeiros foi absolvido em primeira instância devido à falta de provas da acusação. Ainda assim, a mineradora recorreu da decisão e entrou com processo na Vara Criminal que foi acatado pelo Ministério Público.

“O que é o mais triste é o MP aceitar essa acusação ao mesmo tempo em que a Vale é responsável por várias acidentes e crimes no país”, lamenta o pedagogo, que aponta a ação da Vale como uma forma de “demonstração de poder” para intimidar a população local.

Ouça a entrevista na íntegra