Home Cidadania Aula pública expõe ameaças na ‘reforma’ da Previdência de Bolsonaro
Em São Paulo

Aula pública expõe ameaças na ‘reforma’ da Previdência de Bolsonaro

Organizada pela Frente Povo Sem Medo, atividade apresentou à população, nesta quarta (17), os riscos contidos no projeto do governo. E debateram alternativas
Publicado por Redação RBA
13:59
Compartilhar:   
Roberto Parizotti/CUT
Aula pública previdência

Atividade integra “Jornada em defesa da aposentadoria”. Próxima aula está marcada para 8 de maio, no Largo da Batata

São Paulo – A Frente Povo Sem Medo realizou uma aula pública para debater as ameaças da “reforma” da Previdência proposta pelo governo Bolsonaro. A aula, realizada nesta quarta-feira (17) na Ladeira da Memória, região central da cidade de São Paulo, integra a “Jornada em defesa da Aposentadoria” organizada pela entidade.

Aproveitando o fluxo de trabalhadores que passavam pelo local após o horário comercial, foram distribuídas cartilhas com explicações sobre as principais mudanças previstas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6, como destaca um dos membros da Frente, Moisés Ribeiro em entrevista à repórter Ana Rosa Carrara, da Rádio Brasil Atual. “A ideia é que os trabalhadores entendam o que significa (a PEC) e não deixem que os bancos saiam ganhando porque, no fundo, é isso que representa essa reforma”, afirma.

Uma das responsáveis pela aula, a professora de Economia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Camila Ugino, também falou sobre alternativas ao que vem sendo proposto pelo governo Bolsonaro. Medidas que não passam pela retirada de direitos da população e que ainda assim visam a questões de longevidade, além das novas dinâmicas do mercado de trabalho que afetam a questão previdenciária.

“A gente precisa voltar a crescer, sem dúvida nenhuma, gerar emprego, renda, consumo, isso tudo tem que acontecer, mas a reforma tende a piorar esse quadro”, destaca Camila. “A pergunta que a gente, população, deveria fazer é se a reforma da Previdência garantirá a sustentabilidade fiscal. Porque o governo fez uma conta de R$ 1 trilhão em 10 anos, ou seja, R$ 100 bilhões por ano, mas não mostrou para ninguém como essa conta foi feita”, critica.

A próxima atividade da “Jornada” está prevista para 8 de maio, no Largo da Batata, zona oeste de São Paulo.

Ouça a reportagem da Rádio Brasil Atual