Home Cidadania Estudo revela 68 mil casos de violência contra a mulher noticiados em 2018
Barbárie

Estudo revela 68 mil casos de violência contra a mulher noticiados em 2018

Comissão da Câmara dos Deputados lança o Mapa da Violência Contra a Mulher. Foram 32.916 notícias de estupro, com 43% das vítimas tendo menos de 14 anos de idade
Publicado por Redação RBA
12:30
Compartilhar:   
Arquivo EBC
Estudo notícias de violência contra a mulher

Foram noticiados 15.925 casos de feminicídio. Em 95% dos crimes, os assassinos eram maridos, namorados ou ex-companheiros

São Paulo —  Entre janeiro e novembro de 2018, a imprensa brasileira veiculou  68.811 casos de violência contra a mulher, conforme a base de dados da Linear Clipping, utilizada pela Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, da Câmara dos Deputados, e que deu origem ao Mapa da Violência Contra a Mulher 2018. Os casos foram divididos em cinco categorias: importunação sexual, violência on-line; estupro, feminicídio e violência doméstica.  

Foram 32.916 notícias de estupro, com 43% das vítimas tendo menos de 14 anos de idade e quase a metade dos crimes (49,8%) sendo cometidos por companheiros e parentes. A pesquisa da Comissão revela ainda 14.796 casos de violência doméstica, cometida em 58% das vezes por namorados e maridos, atuais ou ex. No caso de feminicídio, ou seja, o assassinato de mulheres motivado por discriminação pela condição feminina, foram registradas 15.925 notícias, com 95% dos assassinos sendo maridos, namorados ou ex-companheiros. 

Uma das vice-presidentes da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher na legislatura passada, a deputada Luizianne Lins (PT-CE), diz que um dos grandes desafios é fazer com que as vítimas de violência denunciem os crimes sofridos. “O fato de as mulheres estarem se conscientizando de que é crime tem ajudado muito para que isso vá para esfera pública”, afirma.

Apesar do estudo da Comissão não ter tido um recorte racial, a deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) destaca que o enfrentamento da violência de gênero deve passar pelo debate racial. “Elas vão sofrer por serem mulheres e também por serem negras. E isso é muito sério. Nós temos que combater o racismo, a exclusão e a invisibilidade da população feminina negra”, afirmou.

Confira abaixo as estatísticas por estados

Violência contra a mulher

Com informações da Agência Câmara Notícias