Home Cidadania Entidades lançam campanha ‘Pacote Anticrime, uma solução fake’
Enfrentamento

Entidades lançam campanha ‘Pacote Anticrime, uma solução fake’

Ao todo, 25 organizações rebatem proposta do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, com projeto de política criminal formulado por diversos juristas
Publicado por Redação RBA
12:28
Compartilhar:   
Fabio R. Pozzebom/Abr
Campanha contra pacote Anticrime

Lançamento da campanha será realizado nesta quarta (27), a partir das 10h, na Câmara dos Deputados

São Paulo – Entidades da sociedade civil e movimentos sociais lançam nesta quarta-feira (27), a partir das 10h, na Câmara dos Deputados, a campanha “Pacote anticrime, uma solução fake”, em resposta à proposta divulgada em fevereiro pelo Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Na análise das organizações, as propostas de Moro são uma “solução falsa” que apelam para o “senso comum” sem dar conta do enfrentamento da crise na segurança pública pela qual passa o país, como avalia a supervisora de atuação política do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim), Lorraine Carvalho, em entrevista aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria, da Rádio Brasil Atual.

Lorraine explica que o diálogo na Câmara tem por base uma série de diretrizes para a política criminal brasileira, apoiada por mais de 20 organizações, com 11 propostas que rebatem o pacote de Moro a partir de análises empíricas e técnicas formuladas por juristas. A campanha também contesta leis que reforçam uma visão punitivista típica do “populismo penal”, como o projeto mais antigo do então chefe da pasta no governo Temer, Alexandre de Moraes, agora ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), ao qual foi apensada a proposta de Moro.

“O nosso contra-argumento vem fundamentado no aprofundamento técnico e intelectual na área de segurança pública, que já comprovou que essas medidas são superficiais. Na verdade, elas aumentam a violência e vão aumentar o encarceramento em um país como o Brasil, que já possui a terceira maior população carcerária do mundo”, adverte a supervisora do IBCCrim.

Ouça a reportagem