Luta por moradia

MTST realiza segunda edição da marcha ‘menos ódio e mais moradia’

Mobilização integra campanha do movimento pela ampliação do Minha Casa, Minha Vida e retomada de políticas habitacionais pelo município e estado de São Paulo

MTST
Marcha MTST

Líder do MTST, Guilherme Boulos, explica que gestões municipal e estadual têm apenas “complementado” política habitacional

São Paulo – O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) voltou às ruas nessa terça-feira (26) para realização da segunda grande marcha “Menos Ódio Mais Moradias” levando centenas de pessoas à Praça da Sé, no centro da cidade de São Paulo.

Apoiadores e manifestantes seguiram com o ato até a sede da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), localizada na região central, para cobrar dos governos municipal e estadual a retomada de políticas habitacionais que, de acordo com o líder do MTST, Guilherme Boulos, vêm atuando apenas como “complementação” do programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV), de âmbito federal.

“Uma das exigências que nós estamos apresentando é que, tanto o estado como o município reativem políticas próprias, e existem mecanismos para isso com o CDHU e a Cohab (Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo)”, afirma Boulos à repórter Beatriz Drague Ramos, da Rádio Brasil Atual.

O movimento, que também reivindica a ampliação do MCMV, lembrou ainda da decisão do Ministério do Desenvolvimento Regional, pasta criada após a extinção do Ministério das Cidades, que no início deste mês suspendeu a contratação de 17.400 unidades do programa que previa atender cerca de 100 mil pessoas. “Propriedade, segundo a Constituição, tem que cumprir função social e é isso que o movimento cobra”, ressalta o líder do MTST.

Ouça a reportagem