Home Cidadania Defensoria vê indícios de execução em ação policial que deixou 13 mortos no Rio
Fuzilamento

Defensoria vê indícios de execução em ação policial que deixou 13 mortos no Rio

Ouvidor-geral teve acesso aos laudos das vítimas para saber se houve confronto, como alega a polícia, ou se foram houve 'execuções sumárias'
Publicado por Redação RBA
11:11
Compartilhar:   
Reprodução/TVT
Ação Polícial

Testemunhas dizem que vítimas foram surpreendidas pela polícia em ação no morro Fallet-Fogueteiro

São Paulo – A Defensoria Pública do Rio de Janeiro quer ter acesso aos laudos de necrópsia dos 13 mortos em operação policial nos morros da Coroa, Fallet-Fogueteiro e dos Prazeres, em Santa Teresa e no Catumbi, no centro da capital fluminense, na última sexta-feira (8). A suspeita é que as vítimas foram executadas pela Polícia Militar, que alega que houve troca de tiros, e que os atingidos seriam suspeitos de tráfico de drogas.  

ouvidor-geral da Defensoria Pública do Rio, Pedro Daniel Strozenberg, diz haver “fortes indícios de fuzilamento”, e pediu acesso aos “laudos cadavéricos”, para apurar se houve “confronto ou execuções sumárias”. “Assim poderemos saber ao certo o número de tiros que atingiram cada um dos mortos e a trajetória das balas”, afirmou o ouvidor nesta terça-feira (12). 

Fontes ouvidas pelo portal UOL, que pediram para não ser identificadas, alegam que ao menos em 8 dos mortos foram constatadas pelos legistas marcas de tiros pelas costas e na cabeça, características de execução. Moradores do Fallet-Fogueteiro, onde nove das vítimas foram mortas, dizem que os policiais surpreenderam o grupo.

A Anistia Internacional também cobrou “investigação imediata” do ocorrido. “Tanto a Polícia Civil quanto o Ministério Público, que tem a missão constitucional de exercer o controle externo da atividade policial, devem iniciar imediatamente uma investigação sobre as mortes decorrentes de intervenção policial”, afirma a entidade, em nota.

Se confirmadas as execuções, seria a primeira chacina policial ocorrida durante o governo do ex-juiz Wilson Witzel (PSC). É a operação com o maior número de vítimas desde 2007. 

Assista à reportagem: