Home Cidadania Operação policial no Rio prende suspeitos do assassinato de Marielle Franco
Milicianos

Operação policial no Rio prende suspeitos do assassinato de Marielle Franco

Indícios apontam que os presos comandem a milícia Escritório do Crime, especializada em assassinatos por encomenda. Alvos de operação foram homenageados por Flávio Bolsonaro em 2003 e 2004
Publicado por Redação RBA
09:48
Compartilhar:   
Renan Olaz/Câmara do Rio
Marielle Franco

Ao menos seis testemunhas já citavam um policial, ex-capitão do Bope, como assassino da vereadora e do motorista

São Paulo – Uma operação policial no Rio de Janeiro realizou na manhã desta terça-feira (22) a prisão de ao menos cinco suspeitos de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol) e de Anderson Gomes, que dirigia o carro em que ambos foram emboscados, em março do ano passado. De acordo com o jornal O Globo, os presos são integrantes da milícia mais perigosa e antiga do estado, a chamada Escritório do Crime.

A Justiça expediu 13 mandados de prisão preventiva contra a organização criminosa. Os principais alvos da operação são o major da Polícia Militar Ronald Paulo Alves Pereira, o ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) Adriano Magalhães da Nóbrega, chefe da milícia de Rio das Pedras, e o subtenente reformado da PM Maurício Silvada Costa, o Maurição.

A ação foi desencadeada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), com o apoio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil.

Apesar do objetivo da ação do MPRJ seja atacar a milícia que explora o ramo imobiliário ilega, em Rio das Pedras, com ações violentas e assassinatos, há indícios de que dois dos alvos de prisão comandem o Escritório do Crime, especializado em assassinatos por encomenda. O jornal afirma que os principais clientes do grupo de matadores profissionais são contraventores e políticos.

A Operação Os Intocáveis é resultado de seis meses de investigação conduzida pelo Gaeco e pela 23ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal. A denúncia, com os pedidos de prisão, busca e apreensão, foi distribuída para o 4º Tribunal do Júri da Capital.

Testemunhas apontavam ex-Bope

O Intercept Brasil teve acesso ao inquérito que a Justiça proibiu que a Rede Globo divulgasse. Nele, ao menos seis testemunhas citam um policial, ex-capitão do Bope, como assassino da vereadora e do motorista. 

O grupo paramilitar, na qual o policial participa, tem ao menos outros dois ex-caveiras, homens altamente, que desvirtuaram o aprendizado em troca de dinheiro. Um deles é também ex-oficial, parceiro dos tempos de academia, conforme o inquérito da Polícia Civil. Ambos tiveram participação no assassinato de Marielle, de acordo com o inquérito.

Marielle e Anderson foram assassinados em 14 de março de 2018, e após nove meses o crime segue sem que sejam apontados os culpados.

Homenagem de Bolsonaro

Principais alvos da operação, Adriano Magalhães da Nóbrega e Ronald Paulo Alves Pereira, foram homenageados, em 2003 e 2004, na Assembleia Legislativa do Rio por indicação do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL). O parlamentar sempre teve ligação estreita com policiais militares.

Adriano chegou a receber a medalha Tiradentes, a mais alta honraria do Legislativo fluminense. Já Ronald ganhou a moção honrosa quando já era investigado como um dos autores de uma chacina de cinco jovens na antiga boate Via Show, em 2003, na Baixada Fluminense. 

O texto da moção de número 2.650/2003 dizia que ele era homenageado “pelos inúmeros serviços prestados à sociedade”. Flávio Bolsonaro justificou o ato: “no decorrer de sua carreira, atuou direta e indiretamente em ações promotoras de segurança e tranquilidade para a sociedade, recebendo vários elogios curriculares consignados em seus assentamentos funcionais. Imbuído de espírito comunitário, o que sempre pautou sua vida profissional, atua no cumprimento do seu dever de policial militar no atendimento ao cidadão. É com sentimento de orgulho e satisfação que presto esta homenagem”.

Já em março de 2004, Ronald Paulo Alves Pereira também recebeu homenagem por meio de moção honrosa proposta por Flávio Bolsonaro. A moção de número 3.480 foi de louvor e congratulações pelos serviços prestados por Ronald, que na época estava no 22º BPM da Maré, na zona norte.