Home Cidadania São Paulo prefere aumentar tarifas em vez de baratear custos do transporte coletivo
retrocessos

São Paulo prefere aumentar tarifas em vez de baratear custos do transporte coletivo

Novos valores das passagens na capital paulista trazem impacto maior para usuários que moram longe e precisam integrar o transporte entre ônibus e trens
Publicado por Redação RBA
10:18
Compartilhar:   
Rovena ROsa/EBC
transporte publico sp

‘Prefeitura precisa achar formas de financiar o custo do transporte para não precisar cobrar só do usuário’, diz especialista

São Paulo – Especialistas ouvidos pela TVT avaliam que, além de prejudicar os trabalhadores, o aumento – acima da inflação – das passagens do transporte público em São Paulo não acompanha a renda da população. 

aumento para os ônibus, trens e metrô na capital paulista foi anunciado em 29 de dezembro pelo prefeito Bruno Covas (PSDB). A passagem subiu de R$ 4 para R$ 4,30 – percentual de 7,5%, ante inflação estimada em cerca de 3,5% no ano passado. A gestão Covas justifica que não houve reajuste em 2016 e 2017 e que em 2018 o reajuste ficou abaixo da inflação.

De acordo com Rafael Calábria, pesquisador de mobilidade urbana do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), o aumento é uma escolha errada. “Ele foi tratado como única opção. A questão da inflação ocorre todo ano, mas a prefeitura e o governo estadual precisam achar formas de financiar o custo do transporte para não precisar cobrar só do usuário na tarifa”, critica.

Segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o transporte custaria, hoje, R$ 3,82 em valores corrigidos desde 2004, quando o bilhete único foi criado.

Rafael afirma que o aumento da tarifa causa um impacto maior para usuários que moram longe e precisam integrar o transporte em ônibus com os em trens. “A prefeitura fica usando manobras e criando dados para tentar reduzir o impacto do que ela fez, por que não faz um serviço organizado de buscar fundos e baratear o transporte”, afirma o pesquisador.

Silvana Maria, professora de Transporte e Mobilidade Urbana da Universidade Federal do ABC (UFABC), a tarifação deve seguir a média de custo de vida da população. “Mesmo que a gente tenha algumas outras estratégias de pagamento do transporte, como o vale-transporte, o custo deste serviço para o usuário tem de ser compatível à sua capacidade de pagamento”, explica.

O encarregado de manutenção Isaías Adriano Silva utiliza coletivos da cidade de São Paulo e se queixa da falta de qualidade e de alcance do transporte público, apesar do aumento no preço. “O que chateia a gente nem é a infraestrutura, mas a falta de acesso para todo mundo. Se você aumentar a infraestrutura, mas só um grupo utiliza isso, não é algo social”, lamenta.

Movimento Passe Livre (MPL) realiza nesta quinta-feira (10) protesto contra o reajuste no valor da tarifa do transporte público em São Paulo. O ato está marcado para as 17h, na Praça Ramos de Azevedo, no centro da capital.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT: