Home Cidadania Projeto de mídia democrática ficará ainda mais distante com governo Bolsonaro
atraso

Projeto de mídia democrática ficará ainda mais distante com governo Bolsonaro

Meios de comunicação hegemônicos ainda estão perdidos quanto à linha política, mas devem adotar relação pró-governo, segundo especialistas
Publicado por Redação RBA
10:19
Compartilhar:   
TVT/Reprodução
Mídia e Bolsonaro

“A tendência é que gradativamente eles se acertem com o novo governo”, afirma o professor Lalo Leal

São Paulo – Os meios de comunicação tradicionais estão desorientados desde as eleições, quando não conseguiram impulsionar um candidato de centro-direita ao poder, ocupado, posteriormente por Jair Bolsonaro (PSL) que, ao privilegiar as redes sociais e criticar a cobertura dos veículos midiáticos, parece rejeitar os velhos meios de comunicação, impondo novas condições, como avaliam os especialistas Renata Mielli e Laurindo Lalo Leal Filho.

Em debate sobre a mídia em 2019, realizado pela Rádio Brasil Atual, a secretária-geral do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e integrante executiva do Fórum Nacional pela Democratização da Mídia (FNDC) e o sociólogo, jornalista e professor da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) apontaram as incertezas que pairam e que podem impedir o projeto de uma comunicação mais democrática no Brasil.

“A tendência, fora a Folha de S.Paulo, é que gradativamente eles se acertem com o novo governo. A Folha vai manter mais ou menos essa linha de mostrar que é independente embora, na prática, ela sempre está a favor de quem esteja no poder”, afirma Lalo Leal aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria.

Ainda que a posição política escolhidas pelos veículos tradicionais ainda não tenham sido formalizadas, Renata credita a elas a criação do perfil de eleitores “bolsonaristas” e a própria eleição de Bolsonaro à Presidência da República, a partir do reforço diário da antipolítica e de programas policialescos.

“Todos esses programas vão construindo paliativamente visões de mundo, criando bordões que foram naturalizados, como ‘bandido bom é bandido morto’ (…) A mídia não estimula a criação, o debate crítico, ela cria sensos comuns”, ressalta.

Ouça o debate

Você pode conferir a partir de 1’16″00