reconhecimento

João Pedro Stédile recebe Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos

Coordenador do MST foi indicado pela deputada Márcia Lia na premiação da Assembleia Legislativa paulista

ALESP
Stédile e Márcia Lira

Prêmio dado a Stédile é um reconhecimento pela sua luta em defesa da terra e da reforma agrária ao longo dos últimos 40 anos

São Paulo – O economista João Pedro Stedile, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), recebeu o 22º Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos, na última segunda-feira (10), durante evento na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Stedile foi indicado pela deputada estadual Márcia Lia (PT), como um reconhecimento à sua luta em defesa da terra, da reforma agrária e da agricultura familiar ao longo dos últimos 40 anos. “Stedile é uma referência nessa luta em defesa dos trabalhadores e trabalhadoras rurais no Brasil, e nada mais justo do que receber essa indicação a um prêmio que reconhece as ações de ativistas brasileiros em temas afetos aos direitos humanos”, justificou a parlamentar. 

Com problemas de saúde, Stedile não compareceu à sessão solene da Assembleia neste Dia Internacional dos Direitos Humanos. Foi representado por Ana Chã, do coletivo de cultura dos sem-terra. 

“Sabemos que a premiação não é pessoal, mas é o reconhecimento desta casa a todos militantes do MST que, ao longo de tantos anos, fazemos a luta pelos direitos humanos, para que nosso povo do interior, os mais pobres, tenham direito a educação, terra, trabalho, alimentação saudável,  moradia e vida digna”, discursou Ana.

Ana lembrou do assassinato de dois integrantes do MST, último sábado (8), no acampamento Dom José Maria Pires, no interior da Paraíba. “Pistoleiros a mando do latifúndio assassinaram mais dois militantes. Desde a chamada redemocratização política do pais, já foram assassinados mais de 1.500 trabalhadores rurais que lutavam por seus direitos”, lamentou.