Liberdade de crença

RedeTV! e igreja são condenadas por ofensas a ateus

Emissora e Igreja Internacional da Graça de Deus terão de exibir quadro na programação para se retratarem de declarações ofensivas contra quem não acredita em Deus

Reprodução
Reverendo João Batista Rede TV

Apresentador e reverendo João Batista declarou que “a pessoa que não acredita em Deus, ela é perigosa”

São Paulo – Decisão da desembargadora Mônica Nobre, do Tribunal Regional Federal da Terceira Região (TRF3), condenou a RedeTV! e a Igreja Internacional da Graça de Deus a terem de exibir um quadro “retratando as declarações ofensivas às pessoas ateias, bem como esclarecimentos acerca da diversidade religiosa e da liberdade de consciência e de crença no Brasil”. As informações são do site Jota.

Em 10 de março de 2011, durante o programa “O Profeta da Nação”, produzido pela Igreja e exibido na RedeTV, o apresentador e reverendo João Batista declarou que “só quem acredita em Deus pode chegar para frente. Quem não acredita em Deus pode ir para bem longe de mim, porque a pessoa chega pra esse lado, a pessoa que não acredita em Deus, ela é perigosa. Ela mata, rouba e destrói. O ser humano que não acredita em Deus atrapalha qualquer um. Mas quem acredita em Deus está perto da felicidade”.

Na decisão, a juíza ressalta que, embora a Constituição Federal assegure que “a manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição”, o texto constitucional também estabelece que “a produção e a programação das emissoras de rádio e televisão atenderão aos princípios da preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas e do respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família”. Assim, o direito à liberdade de expressão não é absoluto, “devendo respeitar valores éticos e sociais e da família”, sendo garantida ainda a inviolabilidade de consciência e de crença.

De acordo com a magistrada, ao veicular declarações ofensivas aos cidadãos ateus, tanto a Igreja Internacional da Graça de Deus quanto a Rede TV “desrespeitaram a pessoa humana no que se refere ao direito de escolha de sua crença, inclusive, o direito de não possuir crença”.

O acórdão determina que a emissora e a entidade religiosa devem exibir, por duas vezes no programa O Profeta da Nação ou em qualquer outro programa patrocinado pela Igreja Internacional da Graça de Deus, quadro com duração de 2 minutos e 30 segundos cada, no horário compreendido entre 6 horas e 22 horas, retratando as declarações ofensivas às pessoas ateias. A peça também deverá trazer explicações “acerca da diversidade religiosa e da liberdade de consciência e de crença no Brasil”.

A decisão deverá ser cumprida em 30 dias a partir da publicação do acórdão, com multa diária de R$ 1 mil em caso de descumprimento.