Representatividade

Primeira deputada transgênera de São Paulo anuncia mandato pela diversidade

Eleita para cargo na Assembleia Legislativa paulista, Erica Malunguinho promete trabalhar pela cidadania plena da população trans e em nome da urgência da diversidade das lutas sociais

Facebook/Reprodução
Erica Malunguinho

Erica destaca luta pela humanização da política e pela responsabilização do Estado pelo cuidado de seus cidadãos

São Paulo – Primeira mulher transgênera a ocupar a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), a agora deputada Erica Malunguinho, eleita pelo Psol com cerca de 55 mil votos, antecipa que seu mandato será exercido em nome da urgência da diversidade das lutas sociais. Ela participou de entrevista na manhã desta quinta-feira (11) à Rádio Brasil Atual

A ativista defende a bandeira da humanização da política, sobretudo ao tratar de temas que têm impacto na vida de mulheres e das minorias – entre elas, negros, LGBTs, indígenas, população carcerária e em situação de rua. Um modo, segundo Erica, de chamar o Estado à responsabilidade que lhe cabe por tornar estes cidadãos e cidadãs ainda mais vulneráveis.

“É pensar nos setores, mas, antes disso, entender que quem está precarizado por esses setores, áreas e lugares de atuação do Estado. São esses sujeitos e sujeitas que precisam ser olhados, como se deve, como fundamento, regra e prioridade”, afirma Erica aos jornalistas Glauco Faria e Marilu Cabañas. 

Mulher, negra, pernambucana, mestra em Estética e História da Arte e fundadora do espaço de resistência negra Aparelha Luzia, também conhecido como quilombo urbano, Erica atribui sua eleição à luta histórica do movimento negro. “Nossos passos vêm de longe”, relembra a também educadora, citando como referência a consagrada filósofa e ativista norte-americana Angela Davis. “Quando uma mulher negra se movimenta, toda a estrutura da sociedade se movimenta com ela.” 

Ouça a entrevista completa: