Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2018 / 09 / Para Feijóo, agressão a advogada negra evidencia 'viés autoritário' do Judiciário

Abuso de poder

Para Feijóo, agressão a advogada negra evidencia 'viés autoritário' do Judiciário

Na análise do comentarista político, episódio envolvendo Valéria dos Santos resulta de escalada do autoritarismo e se relaciona com a baixa presença de negros na magistratura
por Redação RBA publicado 14/09/2018 12h33, última modificação 14/09/2018 15h19
Na análise do comentarista político, episódio envolvendo Valéria dos Santos resulta de escalada do autoritarismo e se relaciona com a baixa presença de negros na magistratura
TVT/Reprodução
Advogada Valéria dos Santos

Perfil Sociodemográfico dos Magistrados 2018, divulgado quinta (13), mostra que negros correspondem a menos de 20%

São Paulo – O histórico abuso de poder por parte das autoridades tem como uma das consequências, na análise do comentarista político José Lopez Feijóo, a agressão sofrida pela advogada negra Valéria Lúcia dos Santos no início desta semana. “Este tipo de procedimento se volta apenas contra aqueles de quem nós não gostamos”, considera Feijóo durante sua participação no Seu Jornal, da TVT.

A advogada foi algemada e imobilizada no chão por policiais em pleno exercício de seu trabalho, durante uma audiência no 3º Juizado Especial Cível de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, sob a ordem da juíza leiga Ethel de Vasconcelos. A magistrada negou o direito de apresentação dos autos de defesa da cliente de Valéria, e para o comentarista político, o episódio evidencia “um viés autoritário que vem tomando conta de uma parcela do Judiciário brasileiro”.

Divulgado nessa quinta-feira (13), o levantamento Perfil Sociodemográfico dos Magistrados 2018, elaborado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), traz também outros pontos que elucidam a prática do racismo no caso de Valéria, apontado por diversas entidades. De acordo com os dados do CNJ, há uma baixa presença de negros na magistratura. No total, há 16,5% de juízes pardos e 1,6% pretos, enquanto os que se declaram brancos equivalem a 80,3%.

Assista ao comentário completo: