ABC

Aumento no plano de saúde é barrado por servidores públicos de São Bernardo

Segundo sindicato da categoria, prefeito Orlando Morando (PSDB) enviaria proposta à Câmara dos Vereadores nesta quarta-feira (15), mas mobilização impediu iniciativa

Oscar Jupiraci/ Câmara Municipal de S. Bernardo do Campo
Servidores São Bernardo

Contribuições variam de R$ 76 reais a R$1.172, a depender da faixa etária e do tipo de plano, requerido pelo servidor

São Paulo – Mobilização dos servidores municipais de São Bernardo do Campo, no Grande ABC, impediu o envio à Câmara dos Vereadores do projeto do prefeito Orlando Morando (PSDB) que aumenta a contribuição dos trabalhadores ao plano de saúde do Instituto Municipal de Assistência à Saúde do Funcionalismo (Imasf). De acordo com o sindicato da categoria que convocou o ato, o SindServ-CUT, o Executivo iria enviar a proposta de aumento para ser votada pelo Legislativo, mas, diante da mobilização dos servidores, os vereadores decidiram “por estratégia” não pautar o projeto, como destaca a secretária-geral da entidade, Vivian Alves.

Em entrevista ao repórter Cosmo Silva, da Rádio Brasil Atual, Vivian alertou sobre a importância dos trabalhadores continuarem atentos às próximas sessões, isso porque a proposta ainda pode entrar em pauta. “Esse ano, o aumento que o prefeito deu (aos servidores) foi de 1% mais o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Então a gente não sabe quanto de aumento ele vai dar, mas qualquer aumento que ele coloque já faz a diferença”, pondera.

Segundo os valores divulgados no site do Imasf, atualmente as contribuições dos servidores públicos de São Bernardo do Campo variam de R$ 76 a R$ 1.172, a depender da faixa etária e do tipo de plano requerido pelo servidor.

Ouça a íntegra da reportagem: