Home Cidadania Assédio às mulheres no metrô acompanha aumento de crimes sexuais em São Paulo
machismo cotidiano

Assédio às mulheres no metrô acompanha aumento de crimes sexuais em São Paulo

Metroviários dizem que constrangimento às mulheres no transporte público é corriqueiro. Corte no número de funcionários para atender à segurança dos passageiros é apontado entre as principais causas
Publicado por Redação RBA
09:41
Compartilhar:   
Fábio Rodrigues Pozzebom EBC/Reprodução
Assédio no metrô

Primeiros cinco meses deste ano, o índice de violência contra a mulher aumentou 16,2% na comparação com 2017

São Paulo – O assédio sexual contra mulheres cometido em vagões e estações do Metrô paulistano tem alimentado os índices de violência contra a mulher no estado de São Paulo, de acordo com levantamento da Secretaria de Segurança Pública. Pelo estudo, de janeiro a maio os registros de crimes sexuais no estado tiveram alta de 16,2%, em relação a igual período de 2017.

Para a diretora do Sindicato dos Metroviários Elaine Damasio, o assédio diário às mulheres passageiras evidencia o reduzido quadro de funcionários e agentes de segurança nas estações, o que favorece a ocorrência de crimes. “A segurança do usuário e da usuária, nesse caso especificamente da mulher, é responsabilidade do Metrô e do governo do estado. Ele tem que dar a devida segurança à usuária”, afirma Elaine. 

A militante da Marcha Mundial das Mulheres Carla Vitória ressalta, em entrevista ao repórter André Gianocari, do Seu Jornal, da TVT que, além da omissão do poder público, há ainda a conivência da sociedade diante da violência contra as mulheres, o que impede inclusive a denúncia dos crimes cometidos às autoridades.

Assista à reportagem completa: