Home Cidadania Ato de mulheres em São Paulo reivindica descriminalização do aborto
Debate público

Ato de mulheres em São Paulo reivindica descriminalização do aborto

Manifestação ocorre na esteira dos protestos na Argentina e a duas semanas de audiência pública sobre despenalização que será feita no Supremo Tribunal Federal
Publicado por Redação RBA
Compartilhar:   
Nossa Hora de Legalizar o Aborto/Divulgação
Ato SP aborto

Milhares de mulheres se reuniram na Praça Oswaldo Cruz, na região central da capital paulista e ocuparam a Avenida Paulista

São Paulo – Sob a bandeira “Nossa Hora de Legalizar o Aborto – SP”, milhares de mulheres se reuniram nessa quinta-feira (19) na Praça Oswaldo Cruz, na região central da capital paulista, em protesto pela despenalização da interrupção voluntária da gravidez. Segundo a organização do movimento, este segundo ato, que ocupou parte da Avenida Paulista, articula-se à discussão do tema que será feita no Supremo Tribunal Federal (STF) em agosto.

As audiências públicas marcadas para os próximos dias 3 e 6, que intensificaram a campanha pró-aborto, debaterão a possibilidade de modificação dos artigos 124 a 126 do Código Penal, que estabelecem como crime a interrupção da gravidez. Para a ativista feminista Isabel George, que participava da marcha e concedeu entrevista à jornalista Ana Rosa Carrara, da Rádio Brasil Atual, a descriminalização do aborto é um passo importante, sobretudo por se tratar de uma questão de saúde pública.

“A gente teve uma reunião antes daqui e estávamos discutindo com profissionais da saúde pública como as mulheres que acabam em uma situação de aborto, tendo que recorrer a hospitais onde são muito mal tratadas, têm medo de serem indiciadas. Tudo isso porque é entendido como crime o aborto”, lamenta Isabel. Com a legalização, ele espera um atendimento mais humanizado e acessível a todas as mulheres.

Os protestos brasileiros ocorrem também na esteira da aprovação da Argentina, que despenalizou a interrupção voluntária da gravidez na Câmara dos Deputados. No próximo dia 8, a decisão será avaliada pelos senadores do país. 

Ouça a reportagem completa: