Home Cidadania Virada cultural na ocupação Nove de Julho terá lançamento de Ana Cañas
Moradia

Virada cultural na ocupação Nove de Julho terá lançamento de Ana Cañas

Evento no domingo oferece arte, cultura, encontros e gastronomia. E debate as ocupações como instrumento de transformação solidária do espaço urbano e das cidades
Publicado por Paulo Donizetti de Souza, da RBA
16:38
Compartilhar:   
Reprodução/Ana Cañas
Ana Cañas Ocupação Nove de Julho

Clipe da música ‘Viverei’ foi gravado na Nove de Julho

São Paulo – A ocupação Nove de Julho e as ocupações artísticas Casa Amarela Quilombo Afroguarany e Ouvidor 63 – todas na região central de São Paulo – promovem neste domingo (20) eventos artísticos culturais paralelos à Virada Cultural da cidade. As atividades, organizadas com apoio do Comitê de Usuários da Praça Roosevelt de Todos, começam às 11h e devem se estender até as 22h, no prédio habitado por 121 famílias, na Rua Álvaro de Carvalho, 427, a poucos metros do corredor de ônibus da avenida que dá nome à ocupação, organizada pelo Movimento Sem Teto do Centro (MSTC).

Os movimentos populares por moradia travam uma batalha de “narrativas” com a imprensa comercial intensificada após o incêndio e desabamento do edifício Wilton Paes de Andrade, no dia 1º.

Desde então, jornais, revistas, emissoras e sites, que tradicionalmente têm como anunciantes grandes corporações imobiliárias, vêm produzindo reportagens enviesadas, com objetivo de criminalizar lideranças populares e jogar a opinião pública contra os movimentos.

“A intenção é trazer a comunidade para conhecer a ocupação, para tirar um pouco o estigma e a mistificação existentes, e mostrar que é um local seguro, saudável, que preza pela qualidade de vida de quem mora, e que gosta de se relacionar bem com a comunidade do entorno”, diz André Chiarati, voluntário na ocupação Nove de Julho e na organização da “virada”. 

Um dos objetivos das atividades deste domingo é fortalecer o ponto de vista desses movimentos nessa “guerra” da informação. O público poderá ver a ocupação como ela é, ter acesso a diversas atividades. Exposição, oficina de cartazes, de bonecas e até de hip hop, projeção de filmes, debates com moradores de ocupações e especialistas em desenvolvimento urbano, momentos gastronômicos, apresentações musicais estão entre as atrações, planejadas para agradar pessoas de todas as idades, especialmente crianças e jovens.

André destaca a visita guiada com os professores da Escola da Cidade e sobre a exposição que conta um pouco da história do movimento. “A partir do momento que você entra, já se consegue ver como era antes e como está agora, além de alguns dados relevantes sobre as ocupações em São Paulo, como o número de prédios vazios e de famílias sem-teto.

“Os movimentos sociais têm uma atuação legítima em defesa do direito à cidade. Quando o arquiteto e a academia se aproximam deles, se aproxima do compromisso com a vida”, diz a arquiteta e urbanista Carla Caffé, professora da Escola da Cidade, faculdade que tem uma plataforma inclusiva situada na Rua General Jardim.

Para ela, a ocupação de áreas abandonadas que violam a função social da propriedade são um meio criativo de melhorar a vida no centro. “A cidade não existe para servir só quem tem o dinheiro. Sem inclusão, se não for para todos os estratos sociais, a cidade não funciona.”

Segundo os organizadores, a arte, a cultura, os encontros e a ocupação inteligente e solidária do espaço urbano é uma das formas mais eficazes de promover o avanço civilizatório e a transformação das cidades.

De perto é todo mundo normal

A cineasta Eliane Caffé, irmã de Carla, tomou conhecimento da realidade e do componente humano de uma ocupação durante a produção do filme Era o Hotel Cambridge (2016). E nunca mais saiu desse ambiente. O longa envolve personagens ficcionais e reais da ocupação de um antigo hotel abandonado, a pouco metros do Nove de Julho. Segundo ela, ao abrir as portas para o público de fora tomar contato com a vida dentro de uma ocupação, a “virada” promove uma interação “da melhor forma possível”: por meio da cultura e da arte.

“Numa ocupação estão faxineiros, garis, motoristas, porteiros, eletricistas, encanadores, mecânicos, artesãos. Pessoas com menos oportunidades na vida do que os filhos da classe média, mas sem cujos serviços a classe média não vive. No entanto, essa classe média os desconhece”, observa Eliane. 

“É lamentável que numa sociedade com divisão tão acentuada de visões, alimentada por uma impressa que estimula o ódio, a classe não tenha condições de desenvolver um pensamento próprio sobre essa realidade. É sempre induzida. Então, nada melhor do que essa oportunidade de ver e conviver para se abrir para uma nova percepção, em possam pensar com menos violência para as soluções urbanas”, diz a cineasta 

A cantora Ana Cañas, uma das convidadas da agenda musical, compôs uma canção inspirada na história do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e fará na ocupação o lançamento oficial do clipe de Viverei. “A igualdade é uma ideia/ Que nunca se aprisiona/ Tem a veia aberta/ Da gente que sonha”, diz trecho da letra. 

“Ela gravou o clipe lá, com as pessoas da ocupação Nove de Julho. É um clipe de arrepiar. A letra (abaixo) é quase um hino, porque evoca esse sentimento de resistência”, detalha André. 

Colaborou Tiago Pereira, da RBA

_____________

Confira a programação:

Palco Nove de Julho

11h-22h – Exposição: Ocupar Resistir Construir Morar – térreo As palavras de ordem que identificavam o Movimento Sem Teto do Centro (MSTC) nos anos 90 batizam a exposição fotográfica e cartográfica do urbanista belga Jeroen Stevens.

11h – Roda de leitura com o escritor Sidney Bretanha do livro infantil e juvenil E se eu fosse outros?. Sidney conta de maneira leve o que é o amor sob a ótica de Fernando Pessoa em uma linguagem encantadora para crianças e jovens.

12h-17h – Almoço na Ocupação – feijoada tradicional e vegana valor R$ 15 e R$ 7 para quem é da Ocupação. Há opção para viagem.

Quem vai comandar a cozinha é a Cacá Vicente, chef especializada em eventos culturais e em cozinhar para grandes equipes. Foi ela quem comandou a feijoada gratuita para mais de 1000 pessoas na ocupação do MTST na Paulista no ano passado.

14h-15h – Para ouvir e dançar, Fernando Maynart e banda tocam ao vivo um repertório de sambas de Caetano

14h-16h – Oficina de cartazes, bandeiras e estandartes com tecidos, papéis e tintas, feita por artistas, público e afins

15h – Visita guiada: A Escola da Cidade, com os professores Carla Caffé e Luis Felipe Abbud, convida para visita guiada pela ocupação, seguida de roda de conversa

18h – Roda de conversa sobre refúgio e economia criativa Maria Nilda e Rita Nardy do projeto Deslocamento Criativo, conduzem esse bate-papo sobre imigrantes refugiados e o seu papel no desenvolvimento de uma economia criativa em São Paulo

JARDIEL CARVALHO/R.U.A FOTO COLETIVO Cambridge
A líder dos sem-teto Carmen Silva e o ator José Dumont em cena de ‘Era o Hotel Cambridge’

19h – Exibição do filme Era o Hotel Cambridge (foto) seguida de roda de conversa com a diretora Eliane Caffé, a líder do MSTC Carmen Silva (personagem do filme) e Rosana Schwartz, doutora especialista empoderamento feminino e ocupações.

21h30 – lançamento do novo clipe Viverei, de Ana Cañas, do novo single homônimo.

A artista lança seu novo clipe gravado na Ocupação, com personagens da casa, com um pocket show na sequência.

Quilombo Afroguarany Casa Amarela ocupa a 9 de Julho

15h – Oficina de bonecas Abayomi: economia solidária e ancestralidade Wanessa Sabbath conduz essa oficina voltada para crianças e mães resgatando a ancestralidade da mais antiga boneca de pano do mundo e a importância dela para a economia solidária.

16h- Oficina de hip-hop com – Hip Hop no Trem. Eles estarão se apresentando e ensinando aos interessados como a cultura do hip hop transforma vidas

Palco Ouvidor 63

Programação dos Laboratórios da Bienal do Ouvidor 63

16h – Laboratório de Teatro (3º andar) – Facilitadores: Sirius Amém, Bianca e Emer.

* Confirmar presença no email [email protected] // Sujeito a lotação (20 pessoas)

16h – Laboratório de Novas Mídias (5º andar) – Facilitadores: Juliana e Lucas

* Confirmar presença no email

[email protected] // Sujeito a lotação (20 pessoas)

Viverei
(Ana Cañas)

Mesmo que me falte o ar 
Não me calarei 
Mesmo que tirem o chão 
Em pé ainda estarei 
A luta é coração que sangra 
Bate forte a esperança 
De um povo que quer o seu direito 
Todo respeito 
E eu só lhe tenho amor 

Podem me julgar além da lei 
Podem me prender, eu andarei 
Podem inventar o que nem sei 
Podem me matar, eu viverei 

A igualdade é uma ideia 
Que nunca se aprisiona 
Tem a veia aberta 
Da gente que sonha
A liberdade é a glória
Da nossa imensa voz
Guarda na memória
É a história
Eles e nós