mobilização

MST cancela lançamento de feira e convoca todos ao ABC em defesa de Lula

Movimento decidiu suspender o lançamento da 3ª Feira Nacional da Reforma Agrária, marcado para hoje (6) em São Paulo. Orientação é para todos seguirem para São Bernardo do Campo

divulgação/mst
mst.jpg

Além das manifestações em São Bernardo do Campo, MST convoca ações descentralizadas pelo país

São Paulo – Em virtude da decisão do juiz de primeira instância da Justiça federal do Paraná Sérgio Moro, de pedir a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) decidiu cancelar o evento de lançamento da 3ª Feira Nacional da Reforma Agrária. Programado para hoje (6), às 18h, o ato cultural e político ocorreria na loja do movimento social, Armazém do Campo, na zona oeste de São Paulo.

“Informamos a todas e todos que devido aos últimos acontecimentos envolvendo a prisão do ex-presidente Lula, o lançamento da feira foi cancelado. Em breve divulgaremos uma nova data”, afirmou o MST por meio da Escola Nacional Florestan Fernandes. Como consequência, o movimento social que luta por moradia convidou a todos os interessados no lançamento de hoje a se dirigirem para o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, onde está Lula, além de muitos simpatizantes e lideranças em vigilância de apoio ao ex-presidente.

O informe de cancelamento ainda traz a relação de atos de apoio a Lula. Acontecem no momento, além da concentração no Sindicato dos Metalúrgicos, manifestações em Brasília, Fortaleza e ainda devem começar em outras capitais, como no Rio de Janeiro, que tem ato marcado para as 19h na Candelária, região central da capital fluminense.

A palavra da liderança

O diretor nacional do MST João Paulo Rodrigues, que está em São Bernardo, participou de reunião das frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, na manhã de hoje. “A deliberação política das duas entidades foi justamente a da resistência. Não aceitamos que o ex-presidente se entregue nem em São Paulo nem em Curitiba. Orientamos nossa militância para trazer o máximo de companheiras e companheiros aqui para o sindicato”. Já o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que integra a Frente Povo Sem Medo, Guilherme Boulos, disse que Moro não é juiz. “É cabo eleitoral.”

Precisamos garantir uma vigília durante todo o final de semana e também sugerimos mobilizações em todos os estados: paralisação de rodovias, atos públicos e todo o tipo de mobilização. Em torno das 16h, o presidente deve fazer um pronunciamento. Nossa sugestão é que ele permaneça conosco. Reafirmamos que Lula é inocente e que deve se candidatar à presidência. Estamos com disposição de luta para a defesa da democracia, contra esse absurdo ilegal do juiz Sérgio Moro. Convoco a todos que se mobilizem e pressionem. Ousar lutar é ousar vencer”, completou Rodrigues.

 

Leia também

Últimas notícias