Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2017 / 10 / Ciclistas da Grande São Paulo apontam falta de infraestrutura e segurança para pedalar

pesquisa

Ciclistas da Grande São Paulo apontam falta de infraestrutura e segurança para pedalar

Relatório publicado pela ONG Ciclocidade mostra que adeptos da bicicleta não se sentem seguros e estão insatisfeitos com a qualidade das vias
por Redação RBA publicado 23/10/2017 15h18
Relatório publicado pela ONG Ciclocidade mostra que adeptos da bicicleta não se sentem seguros e estão insatisfeitos com a qualidade das vias
AGÊNCIA BRASIL/EBC
ciclistas.jpg

Maioria dos entrevistados diz que pedalaria mais se houvesse uma melhor infraestrutura cicloviária e segurança

São Paulo – Ciclistas apontam que pedalariam mais pela cidade de São Paulo se houvesse mais infraestrutura cicloviária e segurança no trânsito. De acordo um relatório da Ong Ciclocidade, divulgado na última sexta-feira (20), os adeptos da bicicleta não se sentem seguros na Grande São Paulo.

Entre os entrevistados, 58% dizem não sentir segurança ao pedalar pela Grande São Paulo e apenas 6% se dizem seguros. Na capital paulista, o número chega a 55% e no Grande ABC, 64%. 

Além disso, quase 67% deram notas negativas às ciclovias e ciclofaixas na região e 33% avaliaram positivamente. Em São Paulo, a insatisfação com a qualidade das vias é de 53%, já no ABC o número de sobe para 89%.

Na questão que investiga os problemas enfrentados no uso da bicicleta como meio de transporte, os ciclistas afirmam que a falta de respeito de condutores de veículos motorizados é o problema enfrentado no cotidiano com maior incidência (34%), seguido de falta de estrutura adequada (25%).

Entre os entrevistados, 57,51% completam que pedalariam mais se houvesse uma melhor infraestrutura cicloviária e segurança no trânsito. Os dados mostram ainda que 40% dos participantes de grupos de pedal da Grande São Paulo utilizam a bicicleta como meio de transporte ao menos uma vez por semana.

Dos pesquisados, 67,43% desconhecem o Plano de Mobilidade de sua cidade. Em São Paulo, esse percentual cai para 62,1% e sobe para 80,9% no Grande ABC.