Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2017 / 09 / CUT convoca trabalhadores para semana de mobilizações

resistência

CUT convoca trabalhadores para semana de mobilizações

Agenda da central começa na quarta-feira (13), dia em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva presta depoimento em Curitiba. E continua na quinta-feira (14) com atividades contra a reforma trabalhista
por Redação RBA publicado 11/09/2017 19h54, última modificação 11/09/2017 20h12
Agenda da central começa na quarta-feira (13), dia em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva presta depoimento em Curitiba. E continua na quinta-feira (14) com atividades contra a reforma trabalhista
cut nacional

'Lula representa a vontade de um Brasil melhor e o ponto final dos retrocessos', disse o presidente da central

São Paulo – Na quarta-feira (13), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve comparecer à Justiça Federal, em Curitiba, para prestar novo depoimento ao juiz Sergio Moro. A CUT incluiu na jornada de mobilizações da central. O presidente da entidade, Vagner Freitas, classifica a perseguição judicial ao ex-presidente como "a tentativa de inviabilizar a candidatura de Lula" à presidência do país em 2018.

Em seu recente congresso extraordinário, a CUT considerou a defesa de Lula como parte da luta pela revogação das medidas consideradas consideradas contrárias aos interesses nacionais e dos trabalhadores adotas pelo governo Temer. 

A central, reunida com a Frente Brasil Popular, da qual faz parte, realizará, a partir das 15h, na Praça Generoso Marques, no centro de Curitiba, a "Jornada de Lutas pela Democracia", em apoio ao ex-presidente, enquanto este estará prestando depoimento. Estão programados eventos culturais, além de aulas públicas sobre a condução da Operação Lava Jato pela Justiça.

Ainda nesta semana, na quinta-feira (14), a central reunida com outras entidades sindicais, promove o Dia Nacional de Lutas para Anulação da Reforma Trabalhista. A CUT pretende reunir assinaturas para a criação de uma Lei de Iniciativa Popular que anule a reforma Trabalhista, que entra em vigor no país no dia 11 de novembro. "Essa proposta aprovada por esse governo e esse Congresso corrupto acaba com sua carteira assinada", afirma Vagner.

É possível acessar os materiais de campanha, bem como a programação dos atos e mais informações sobre a reforma Trabalhista na página da CUT na internet.