Home Cidadania Falta de manutenção aumenta risco de acidentes na CPTM, diz deputado
trens em São Paulo

Falta de manutenção aumenta risco de acidentes na CPTM, diz deputado

Por conta da falta de investimentos em infraestrutura, trem da linha 7-Rubi 'dança' nos trilhos, com risco de descarrilamento. Deputado José Américo entra no MPE com representação contra Alckmin
Publicado por Redação RBA
14:01
Compartilhar:   
Alexandre Carvalho/GOV SP
CPTM Rubi

Sem manutenção, trens operam com menor velocidade e maior tempo de parada, levando menos passageiros

São Paulo – O deputado estadual José Américo (PT-SP) entrou nesta segunda-feira (28) com representação no Ministério Público Estadual (MPE) contra o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e o presidente da CPTMPaulo Magalhães Bento Gonçalves, devido à falta de manutenção nos trilhos e trens de passageiros, que agravam a possibilidade de ocorrência de acidentes. 

Segundo o deputado, as falhas na circulação dos trens são frequentes nos últimos dois anos, mas vem se agravando em 2017. Ele conta que visitou diversas linhas e constatou o mais grave cenário na linha 7-Rubi, em especial no trecho final entre as estações Baltazar Fidélis e Jundiaí, “em que o trem simplesmente dança nos trilhos”, devido a um desalinhamento. 

Esse é o trecho em que ocorreu o descarrilamento de cinco locomotivas de carga, em meados de agosto. Segundo Américo, o risco de descarrilamento é maior nos trens de carga por causa do peso, mas não afasta a possibilidade de o mesmo problema ocorrer com os trens de passageiros. 

Américo afirmou que, em 2016, o governo Alckmin cortou quase R$ 500 milhões em verbas para a manutenção dos trilhos e trens da CPTM. “Essa irresponsabilidade precisa ter um fim, senão vamos ter tragédias em São Paulo”, afirmou o deputado à Rádio Brasil Atual nesta quarta-feira (30). 

Para Américo, com investimentos adequados em manutenção e gestão, a CPTM, que hoje transporta cerca de 3 milhões de passageiros por dia, poderia praticamente dobrar esse número, desafogando o Metrô e até mesmo os ônibus da região metropolitana de São Paulo. 

Além dos problemas de gestão, o deputado José Américo cobra investigações sobre casos de corrupção. Em julho, o MPE denunciou à Justiça cinco contratos firmados pela CPTM que teriam acarretado desvios de até R$ 500 milhões. Ele deve ser reunir, ainda nesta quarta-feira, para cobrar do procurador-geral do estado, Gianpaolo Smanio, para cobrar celeridade no andamento desses processos. 

O deputado afirma, ainda, que a base do governo na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) atua para barrar a apuração dos problemas de má gestão e corrupção que atingem a CPTM. Américo, que é presidente da comissão de Infraestrutura da Alesp, conta que tenta, há semanas, convocar para esclarecimento o presidente da companhia, mas as reuniões da comissão não se realizam por falta de quórum. 

Ouça: