Previdência e CLT

População deve ser ouvida em suas manifestações, diz CNBB sobre greve

Secretário-geral da entidade afirma que não é possível implementar reformas sem amplo debate. Para ele, governo e Congresso têm se mostrado pouco sensíveis à reação social

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Leonardo Steiner CNBB

“Os brasileiros e brasileiras desejam o bem do Brasil e para construir uma nação justa e fraterna querem participar das discussões e encaminhamentos”, acrescentou dom Leonardo

São Paulo – Para o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o bispo auxiliar de Brasília, dom Leonardo Steiner, governo e Congresso têm sido pouco sensíveis quanto às manifestações da sociedade sobre as “reformas”. Ele reafirmou posicionamento do Conselho Permanente, que em nota convocou “cristãos e pessoas de boa vontade, particularmente em nossas comunidades”, a se mobilizar em relação à “reforma” da Previdência. “Nesse sentido, consideramos fundamental que se escute a população em suas manifestações coletivas”, afirmou, em referência à greve geral programada para a próxima sexta-feira (28).

Os bispos se reunirão a partir de amanhã (26) em assembleia geral em Aparecida, no interior paulista. Em entrevista publicada no site da instituição, dom Leonardo lembra que a assembleia é a instância máxima da CNBB e pode aprovar um novo posicionamento.

“Certamente o conteúdo das manifestações se dará no sentido de defesa dos direitos dos trabalhadores do campo e da cidade, de modo muito particular dos mais pobres. O movimento sinaliza que a sociedade quer o diálogo, quer participar, quer dar sua contribuição. Reformas de tamanha importância não podem ser conduzidas sem esse amplo debate”, afirmou o secretário-geral da Conferência sobre a greve.

“O Congresso Nacional e o Poder Executivo, infelizmente, têm se mostrado pouco sensíveis ao que a sociedade tem manifestado em relação às reformas. Os brasileiros e brasileiras desejam o bem do Brasil e para construir uma nação justa e fraterna querem participar das discussões e encaminhamentos”, acrescentou dom Leonardo, ressaltando o “momento particular”, de “crise ética”, vivido pelo país.

Há situações de enorme complexidade nos quais estão envolvidos personagens do cenário político, sem falar da crise econômica que atinge a todos. Como encaminhar mudanças sem o respaldo da sociedade?”, argumentou o secretário-geral da CNBB. “Propostas de reformas que tocam na Constituição Federal, no sistema previdenciário, na CLT merecem estudo, pesquisa e aprofundamento. Sem diálogo não é possível criar um clima favorável que vise o bem do povo brasileiro.”

Bispos contra as “reformas”

Diversos bispos estão declarando seu posicionamento contrário às “reformas” do governo Temer. Dom Gilberto Pestana, da Diocese do Crato, no Ceará, divulgou vídeo nas redes sociais convidando a população a participar, em Juazeiro do Norte, da “Caminhada pela Vida – Contra a Reforma da Previdência e Trabalhista”, na sexta-feira (28), dia da greve geral.

O arcebispo de Maringá, Dom Anuar Battisti, gravou um vídeo para convocar os fiéis a irem nos atos de 28 de abril. “Dignidade para todos: para os pobres e para os excluídos. Convidamos você para participar desse dia 28 para sair nas ruas e gritar pela dignidade de todo o povo brasileiro”, disse o religioso.

Leia também

Últimas notícias