Home Cidadania Valores liberais têm intensa presença nas periferias de SP, aponta pesquisa
Perseu Abramo

Valores liberais têm intensa presença nas periferias de SP, aponta pesquisa

Fundação Perseu Abramo mostra que ideias como 'faça você mesmo', individualismo, competitividade e eficiência têm aumentado nas regiões periféricas
Publicado por Redação RBA
12:48
Compartilhar:   
EBC
periferia.jpg

Relatório conclui que é preciso renovação na política partidária e no conteúdo das políticas públicas

São Paulo – Para mostrar o imaginário social dos moradores da periferia de São Paulo, a Fundação Perseu Abramo apresentou pesquisa para mostrar o avanço do consumo, da teologia da prosperidade, representada pelas religiões evangélicas, e do empreendedorismo popular. A análise demonstra uma intensa presença dos valores liberais do “faça você mesmo”, do individualismo, da competitividade e da eficiência.

A pesquisa mostra que a população tendencialmente acredita na política, mas não crê em partidos. Além disso, a comunidade reconhece a importância da coletividade, mas almeja crescer individualmente; busca transformações, mas é pouco afeita a rupturas; anseia por novas idéias, mas é também pragmática.

O relatório mostra que esse novo caldo cultural exigirá renovações tanto na forma como se realiza a política partidária, assim como no conteúdo das políticas públicas que se implementam. “Este cenário de descrédito da política, compreensão do Estado como máquina ineficaz, somada à valorização da lógica de mercado e a ideologia do mérito abrem espaços para candidatos e projetos como o do João Doria ‘um não político, gestor trabalhador que ascendeu e, por isso, não vai roubar'”, aponta a conclusão do relatório.

“A mistura entre valores do liberalismo, do individualismo, da ascensão pelo trabalho e do sucesso pelo mérito, com valores mais solidários e coletivistas relacionadas à atuação do Estado, à ampliação da inclusão social, permeiam a visão de mundo e o imaginário dessa nova classe trabalhadora das periferias de São Paulo”, diz a pesquisa. 

Ouça a entrevista do professor William Nozaki, um dos autores da pesquisa, à Rádio Brasil Atual: