Home Cidadania Ministério contesta divulgação de ‘lista suja’ citando portaria que não adota
Trabalho escravo

Ministério contesta divulgação de ‘lista suja’ citando portaria que não adota

Blog conseguiu versão de cadastro com base na Lei de Acesso à Informação
Publicado por Redação RBA
15:22
Compartilhar:   
Ministério Público do Trabalho/Divulgação
Trabalho escravo no Brasil

O MPT e várias entidades têm protestado contra a suspensão da divulgação da lista suja

São Paulo – O Ministério do Trabalho divulgou nota contestando a divulgação, por “alguns órgãos de comunicação”, de uma lista de empresas autuadas por uso de mão de obra análoga à de escravo. O cadastro foi obtido pelo Blog do Sakamoto, do jornalista Leonardo Sakamoto, dedicado à área de direitos humanos, com base na Lei de Acesso à Informação (12.527, de 2011). Leia aqui.

Segundo o blog, a iniciativa “busca garantir transparência à política de combate a essa violação aos direitos fundamentais enquanto o governo federal não voltar a divulgar a informação, como costumava fazer”. A divulgação da chamada “lista suja” do trabalho escravo está suspensa desde o final de 2014, apesar de já liberada judicialmente.

Na nota, o ministério cita exatamente a portaria aprovada no ano passado, que alterou critérios para inclusão e exclusão de empresas do cadastro e fez com o Supremo Tribunal Federal (STF) levantasse a proibição. “A lista divulgada não foi submetida aos requisitos da Portaria Interministerial nº 4 de 13 de maio de 2016, que se refere ao chamado Cadastro de Empregadores que Tenham Submetido Trabalhadores a Condições Análogas à de Escravo, do Ministério do Trabalho.” Ao mesmo tempo em que usa a portaria como argumento contra a divulgação pelo blog, o ministério não adota o instrumento para voltar a publicar a lista de empregadores.

O argumento oficial do governo é o de que procura garantir “segurança jurídica” para voltar a divulgar a “lista suja” do trabalho escravo. Por isso, formou um grupo de trabalho, que terá quatro meses para apresentar um relatório. 

O Ministério Público do Trabalho entrou com ação para que a lista fosse novamente publicada. Ganhou em primeira e segunda instâncias, mas o governo recorreu ao presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra Filho, e conseguiu um efeito suspensivo. O procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Curado Fleury, lamentou a decisão.

O MPT e várias entidades têm protestado contra a suspensão da lista. Em cerimônia na Câmara na última sexta-feira (10), o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais do Trabalho (Sinait), Carlos Silva, disse que há um movimento para enfraquecer o combate ao trabalho escravo no Brasil. Ele contestou os argumento do governo. Segundo o sindicato, em 22 anos de atividade do grupo especial de fiscalização móvel foram resgatadas mais de 50 mil pessoas de condições análogas à escravidão.