Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2017 / 03 / Governo Alckmin tinha ciência de risco de descarrilamento no metrô

precarização

Governo Alckmin tinha ciência de risco de descarrilamento no metrô

Comunicado interno divulgado em agosto do ano passado pede atenção de trabalhadores a ruídos que poderiam indicar risco iminente
por Rodrigo Gomes, da RBA publicado 03/03/2017 17h20, última modificação 04/03/2017 09h18
Comunicado interno divulgado em agosto do ano passado pede atenção de trabalhadores a ruídos que poderiam indicar risco iminente
Alexandre Carvalho/A2img
alckmin

Comunicado interno do Metrô demonstra que governo Alckmin tem ciência do risco de descarrilamento da Frota K

São Paulo – Comunicado interno da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), datado de agosto de 2016, determina a todos os trabalhadores que tenham atenção com “ruídos anormais” em trens da Frota K, a mesma do trem que descarrilou em 7 de fevereiro, entre as estações Artur Alvim e Itaquera, na Linha 3-Vermelha. Segundo o documento, ao ouvir um ruído anormal, o metroviário deve informar imediatamente o Centro de Controle Operacional (CCO), pois “existe a possibilidade de o rodeiro estar travado, o que aumenta o risco de descarilhamento (sic), especialmente na região de AMV (local em que os trens podem mudar de trilho)”.

O conjunto de medidas proposto no comunicado interno indica grave risco à segurança de usuários e trabalhadores. Ao comunicar o ruído estranho, deverá ser imposta à composição: restrição de velocidade; isolação da propulsão; evacuação do trem; e parada da composição no ponto de estacionamento mais próximo.

Quanto ao descarrilamento de 7 de fevereiro, a direção do Metrô negou à Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) a realização de reunião com todos os setores da empresa para apresentar esclarecimentos sobre o ocorrido. Também se negou a remeter os documentos relativos ao caso à comissão e ao Sindicato dos Metroviários, alegando que são “documentos sigilosos”. Além disso, a direção alega, em e-mails dirigidos à Cipa, que o acidente não foi grave para justificar a discussão na comissão.

Sem retorno da companhia, a Cipa emitiu um relatório parcial sobre o caso, solicitando que os trens da Frota K sejam retirados da circulação até que um laudo técnico comprove a solução dos problemas das composições.

comunicado interno

Para o diretor do Sindicato dos Metroviários Alex Santana, a falta de manutenção e de trabalhadores no Metrô é uma política do governo Geraldo Alckmin (PSDB), para apresentar a privatização do sistema como solução dos problemas. “Nos últimos anos o governo Alckmin reduziu drasticamente os investimentos no sistema sobre trilhos e as consequências estão aparecendo. Falta de peças, trens parados fazendo com que os trens em circulação trabalhem por mais tempo antes das revisões, reformas mal feitas. O sistema está chegando ao esgotamento, ou seja, ao limite do funcionamento do Metrô”, afirmou.

Desde 2013, o Sindicato dos Metroviários pede que seja feita uma revisão completa dos trens da Frota K, oriundos de reforma total dos trens da antiga Frota C. O modelo pelo qual a reforma foi feita é objeto de investigação do Ministério Público paulista, pois a reforma custou quase o mesmo que a aquisição de trens novos e as composições apresentam vários problemas desde a entrega. Em março de 2013, outro trem da Frota K descarrilou entre as estações Marechal Deodoro e Barra Funda, da Linha 3-Vermelha. 

registrado em: , ,