Home Cidadania Evangélicos realizam ato contra o golpe nesta quinta, às 18h, no vão livre do Masp
em SP

Evangélicos realizam ato contra o golpe nesta quinta, às 18h, no vão livre do Masp

Dilma enviou carta aos religiosos pelo gesto em defesa da democracia. 'Golpe em curso atenta contra o bem da nação', diz pastor batista e integrante da Frente Brasil Popular
Publicado por Marcelo Santos, para a RBA
16:28
Compartilhar:   
lula marques/agpt/fotos públicas
atu.jpg

Dilma encorajou os religiosos: ‘Sei que vocês não oram apenas por mim, mas clamam pelo restabelecimento da ordem democrática’

São Paulo – A Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito, uma iniciativa de diversas igrejas e denominações, realiza na noite de hoje (25) o ato “Tempo de oração a favor a democracia” em defesa do Estado democrático e da ordem constitucional. O encontro está previsto para as 18h, no vão livre do Masp, na Avenida Paulista.

Liderado pelo pastor e escritor Ariovaldo Ramos, uma das principais vozes progressistas no meio e membro da Frente Brasil Popular, o grupo pretende mobilizar religiosos que se posicionam contrários à retirada de direitos trabalhistas, sociais e políticos que está embutida no golpe que o país está sofrendo.

Segundo Ramos, vinculado à Igreja Batista, trata-se de um “mal que atenta contra o bem da nação”. A mobilização ocorre justamente no dia em que teve início no Senado a última etapa do julgamento do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.  Para o pastor, o avanço da ação, sem que haja motivo jurídico nem sequer para a denúncia, “atenta contra a democracia, contra um projeto de emancipação do pobre, do negro, da mulher, do indígena, do quilombola, de todos que estão à margem da sociedade brasileira”.

Ao ser informada sobre a mobilização, Dilma enviou uma carta em agradecimento e encorajando os evangélicos e outros religiosos. “Sei que vocês não oram apenas por mim, mas clamam pelo restabelecimento da ordem democrática, um valor que está acima de todos nós”. E acrescentou: “Levarei comigo as orações e os votos de vocês no Senado, quando defenderei a democracia”.

Leia a carta de Dilma