tortura

Impunidade fomenta violência policial, diz Centro de Defesa da Criança

Nesta semana, um PM foi filmado na zona leste de São Paulo obrigando um jovem negro a gritar aos prantos frases como “eu sou vagabundo” e “eu não presto”

arquivo/ABr
Violência

“Esse tipo de comportamento não resolve a violência, mas fomenta mais violência”, diz Cedeca

São Paulo – A falta de punição legal a policiais que praticam atos de violência os deixam a vontade para abusarem da força e cometerem novos crimes de tortura, segundo avaliação da presidenta do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca) de Sapopemba, Valdênia Paulino Lanfranchi, em entrevista à TVT.

Nesta semana, um policial militar foi filmado na região do Sapopemba, zona leste de São Paulo, obrigando um jovem negro algemado a gritar em prantos frases como “eu amo a PM”, “eu sou vagabundo” e “eu não presto”. O PM segurava um cassetete em uma das mãos e era escoltado por uma viatura.

“Esse tipo de comportamento não resolve a violência, mas fomenta mais violência. Essa cena, em pleno século 21, nos leva de volta ao tempo medieval. Estamos em uma capital com uma política de segurança pública truculenta e retrógrada, que vai na contramão na democracia”, diz Valdênia.

A presidenta do Cedeca avalia que o sentimento de impunidade “os deixa à vontade” para cometer atos caracterizados como abuso da força. “O jovem estava em uma via pública, é pego por uma autoridade que, sem receio nenhum, acompanha o jovem por longo tempo em uma postura que esta tipificada na lei de tortura”, diz. “Esperamos que o Ministério Público tome a frente, porque o que faz esse tipo de ação da policial permanecer é o sentimento de impunidade.”

Assista.