São PAulo

Vandalismo contra radares cresce 281% após redução de velocidade

Número de equipamentos destruídos é muito superior ao aumento de radares promovido pela prefeitura no ano passado

Código19/Folhapress
radar

Número de equipamentos atacados por vândalos quase quadruplicou entre 2014 e 2015

São Paulo – Dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) revelam que o número de radares de trânsito vandalizados foi quatro vezes maior em 2015, em relação a 2014, coincidindo com a implementação da política de redução de velocidade nas vias da capital paulista. No ano passado, 145 equipamentos foram pichados, danificados ou destruídos, contra 38 em 2014 (crescimento de 281%). Os radares atacados são responsáveis pela fiscalização de infrações como excesso de velocidade, invasão de corredores e faixas exclusivas de ônibus e desrespeito ao rodízio de veículos.

Os dados foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação, pelo site Fiquem Sabendo. Segundo as informações da CET, o aumento do número de radares instalados em São Paulo no mesmo período, como no caso da Marginal Tietê, foi bem inferior ao crescimento dos casos de vandalismo. Em 2015, a número de equipamentos instalados por toda a cidade subiu de 601 para 806, um crescimento de 34%.

O especialista em segurança pública Jorge Lordello avaliou que parte desses casos de vandalismo pode estar relacionada à ação de motoristas que se revoltaram com a ampliação do número de radares. “Pode ser que haja motorista fazendo justiça com as próprias mãos por se sentir injustiçado com o fato de ter tomado uma ou mais multas desde a instalação de novos radares”, afirmou.

A ampliação do número de radares é parte da política de redução da velocidade na capital paulista – Programa de Proteção à Vida (PPV) –, que diminuiu a velocidade máxima da maior parte das grandes vias para 50 km/h. O objetivo da gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) é reduzir a severidade dos acidentes e as mortes ocorridas em consequência. Um estudo da CET, divulgado no último dia 11, apontou queda de 21,4% no número de mortes no trânsito na cidade de São Paulo.

De acordo com o levantamento, ao menos 246 vidas foram salvas na comparação entre janeiro e novembro de 2014 com igual período de 2015. Foram registrados 1.150 óbitos nos 11 meses de 2014, enquanto em igual período de 2015 ocorreram 904 casos. Se for considerado apenas o mês de novembro, as mortes diminuíram 23,5%, com 75 casos no ano passado, ante 98 em 2014.

Por meio de nota, a CET informou que já solicitou à Secretaria de Segurança Pública no Estado apoio do policiamento nos locais de fiscalização. Segundo a companhia, o contrato da prefeitura com as empresas responsáveis pela manutenção dos radares garante que o município não seja onerado pela violência. “Em caso de vandalismo, a CET não arca com ônus dos equipamentos inoperantes. De acordo com o Termo de Referência e contratação dos serviços, cabe aos consórcios a reposição dos equipamentos sem custos adicionais”, diz a companhia.