Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2016 / 01 / Apesar da repressão, MPL marca novo ato contra aumento de tarifas em São Paulo

resistência

Apesar da repressão, MPL marca novo ato contra aumento de tarifas em São Paulo

Militante diz que o movimento “não vai fazer conversa de gabinete com ninguém”, chamando Alckmin e Haddad para ir à rua estabelecer o diálogo com a população
por Rodrigo Gomes, da RBA publicado 22/01/2016 16h15, última modificação 22/01/2016 19h05
Militante diz que o movimento “não vai fazer conversa de gabinete com ninguém”, chamando Alckmin e Haddad para ir à rua estabelecer o diálogo com a população
Rovena Rosa/Agência Brasil
passe livre

Quinto ato contra o aumento das tarifas deixou Parque Dom Pedro II sob forte escolta policial e ameaça de repressão

São Paulo – O Movimento Passe Livre (MPL) marcou para a próxima terça-feira (26) uma nova manifestação, a sexta, contra o aumento das tarifas do transporte coletivo em São Paulo. Após a intensa repressão ao ato de ontem (21), em que 17 pessoas ficaram feridas e nove foram detidas para averiguação, o movimento parecia considerar não fazer outra manifestação nos mesmos moldes. Mas decidiu convocar um novo protesto para a estação da Luz, no centro da cidade. “Não vão nos intimidar. A luta só termina quando o aumento for revogado”, afirmou o MPL, em convocatória.

Ontem, o militante Vítor Quintiliano reafirmou que o movimento não vai se submeter à exigência de divulgação de trajeto à apreciação da Secretaria da Segurança Pública (SSP) paulista. “Quem vai definir como vai ser a manifestação, onde vai ser a concentração e qual vai ser o trajeto são as pessoas que estão organizando essa manifestação. Seja o movimento social que toma a frente do protesto ou o conjunto da população em assembleia. Não vai ser a PM. Não vai ser o secretário da Segurança Pública”, afirmou.

A SSP tem se baseado no inciso XIV do artigo 5º da Constituição Federal para exigir a comunicação. No entanto, tal artigo determina apenas a comunicação de que vai haver uma manifestação, mas nada diz sobre o trajeto ou prazo de antecedência necessário para ser comunicado.

Na noite de ontem, os manifestantes foram dispersados com violência ao tentarem prosseguir o ato depois da Praça da República, no centro. Esse era o limite definido pela secretaria, por considerar que a divulgação do trajeto "se deu muito em cima da hora". O Passe Livre publicou o caminho nas redes sociais duas horas antes do início da concentração, marcada para as 17h, no terminal Parque Dom Pedro II, também na região central da capital paulista. O ato pretendia chegar até a Assembleia Legislativa de São Paulo, próximo ao Parque do Ibirapuera, na zona sul.

Para Quintiliano, essa justificativa para reprimir o ato é absurda. “Bastou encostar no escudo do Choque e começou a barbárie. Em outra manifestação, bastou as pessoas pisarem no sentido norte da Avenida 23 de Maio e começou a barbárie. Numa outra, bastou as pessoas quererem descer a Avenida Rebouças, começou a barbárie. A PM tem motivos ridículos pra reprimir uma manifestação legítima e que contraria todas essas medidas desses governos que não governam para a população”, afirmou.

O ativista destacou que o movimento “não vai fazer conversa de gabinete com ninguém”, chamando o governador paulista, Geraldo Alckmin (PSDB), e o prefeito paulistano, Fernando Haddad (PT), para ir à rua conversar com o povo.

E convocou novamente a população a organizar protestos em vários pontos da cidade. “É muito positivo que diversos atores tomem parte dessa luta. O Passe Livre não é dono da luta social, nem da luta pelo transporte. A gente nunca conquistou nada sozinho. Todas as conquistas sociais que tivemos até aqui, nós fomos um dos participantes. Inclusive em junho de 2013 – quando o reajuste de R$ 3 para R$ 3,20 foi revogado”, afirmou Quintiliano.

Questionado sobre as recentes declarações de Alckmin e Haddad, ironizando as manifestações contra o aumento das tarifas, o militante do MPL desdenhou. “Se for para ironizar, para fazer chacota, tanto faz pra gente.”

No dia 14, Alckmin questionou por que o MPL não se mobiliza contra outros aumentos, como o da inflação. "Estranho, não teve nenhuma manifestação quando a energia elétrica subiu 70%. Então, vandalismo seletivo não, isso o paulista sabe diferenciar bem as coisas e não aceita", disse o governador.

Na manhã de ontem, Haddad disse que só um mágico poderia instituir tarifa zero no transporte da capital paulista. “Eu não prometi passe livre na campanha, prometi Bilhete Único Mensal, faixa e corredor de ônibus. Fiz mais do que prometi, inclusive", disse o prefeito. “Tem tanta coisa que podia vir na frente, podia ser almoço grátis, jantar grátis, ida pra Disney grátis. Começa a ficar uma conversa que você não sabe aonde vai dar”, completou o prefeito.

“Dizer que quer almoço grátis, pelo amor de deus. Entra no site do movimento e dá uma pesquisadinha. Eles se fingem de cegos, se fazem de bobos, porque não querem ouvir a população e começam com essa retórica de fazer brincadeirinha. Mas na verdade a gente tá aqui fazendo coisa séria, reivindicando com fundamento. E se eles não querem entender, a resposta será na rua, com mobilizações populares”, concluiu Quintiliano.